No futebol, ninguém torna-se santo por acaso, ainda mais o goleiro. O Palmeiras é um clube privilegiado nesse sentido. Se ‘São Marcos’ foi canonizado defendendo a meta alviverde, agora é a vez de Fernando Prass ganhar uma auréola ao espalmar para fora as cobranças de pênaltis dos adversários - mas o arqueiro ‘ajuda’ os milagres, estudando minuciosamente como o adversário bate na bola. Diante do Rosario Central, na noite da última quinta-feira (3), não foi diferente e o resultado foi a defesa em chute de Ruben pela Copa Libertadores.

Antes dos jogos, Prass tem um ritual. Ele recebe de funcionários do clube vídeos com cobranças de pênaltis dos principais atletas do time adversário. Como, geralmente, os jogadores batem da mesma forma, a função do goleiro é decorar em que canto e como batem na bola os cobradores de pênalti.

Em determinados casos, o goleiro precisa também usar da "malandragem", no bom sentido. Como ocorreu diante do Rosario. Ruben, cobrador de pênalti da equipe, não tem um lugar fixo para chutar a bola. Por isso, Prass teve que ter frieza para mexer com o lado psicológico do adversário.

"Tive o pressentimento de apontar para o canto e ele bater no meio, mas não podia arriscar de ficar parado. Consegui ter frieza para segurar até o último segundo e chegar na bola", explicou o estudioso goleiro.

MUDANÇA - A fama de ser pegador de pênaltis foi criada no Palmeiras, no qual ele defendeu nove cobranças em três temporadas, sendo oito nos últimos 11 meses. No Vasco, seu clube antes de desembarcar no Palestra Itália, foram cinco defesas em três anos. A primeira pelo Palmeiras ocorreu em julho de 2013, na vitória por 4 a 0 sobre o Icasa, pela Série B.

Na semifinal do Paulista, em abril do ano passado, Prass pegou duas cobranças na vitória por 6 a 5 na decisão por pênaltis contra o Corinthians, após empate por 2 a 2 no tempo normal.

Quatro meses depois, salvou uma cobrança na derrota por 2 a 1 para o Cruzeiro. Em agosto, defendeu um chute na decisão contra o Fluminense, pela semifinal da Copa do Brasil - vitória alviverde no tempo normal por 2 a 1 e nos penais por 4 a 1.

O grande momento do goleiro com a camisa alviverde foi no dia 2 de dezembro, na final da Copa do Brasil contra o Santos. Além de ter marcado um gol na disputa de penalidades, ainda defendeu uma cobrança e garantiu o título com a vitória por 4 a 3, após superar os rivais por 2 a 1 no tempo normal.

Neste ano, Prass pegou mais duas cobranças do Nacional-URU, em torneio amistoso realizado no Uruguai. Após empate sem gols no tempo normal, a equipe brasileira foi derrotada por 4 a 3 nos penais, mas o goleiro fez a sua parte. E assim ele vai conquistando o coração do torcedor palmeirense.