O atual prefeito de Betim e ex-CEO do Cruzeiro, Vittorio Medioli, deixou o cargo que tinha no clube celeste no último dia 5, mas continua preocupado com a saúde financeira da Raposa. Nesta terça-feira (14), ele divulgou um vídeo em que afirma que a dívida dos celestes chegaria a R$ 1 bilhão, e não R$ 800 milhões, como apontou o balanço feito pela nova gestão da agremiação.

“Numa situação catastrofista, como é o Cruzeiro, a cada dia aparecem mais dívidas. A última conta vai chegar a R$ 800 milhões. Lá, foi feito um Refis (Programa de Recuperação Fiscal), que se chama Profut, mas tem três anos que não o pagam. E para renovar (o Profut) é preciso mais R$ 200 milhões. Dentro dos R$ 800 milhões que estão falando, como não tem esses 200 milhões, a dívida vai para R$ 1 bilhão”, disse Medioli.

O prefeito de Betim reiterou a “necessidade de uma intervenção judicial porque recuperaria um prazo para renegociar essa situação”. “E como renegociar? Afinal, não é muito difícil”, ressaltou.

Cruzeiro

Além disso, mostrou preocupação novamente com problemas internos envolvendo dirigentes e atletas. “Hoje as pessoas ficam tão distraídas em ganhar direito com trambique lá dentro, que não cuida do atleta, não cuida do clube. É um caso de polícia, tem que entrar lá, despoluir e reconstruir, não é muito difícil”, afirmou.

Medioli era considerado uma das esperanças para o Cruzeiro se reerguer neste ano, em que terá de disputar pela primeira vez em sua história a Segunda Divisão do Brasileiro. No entanto, por conta de problemas nos bastidores, deixou o Núcleo Dirigente Transitório do Cruzeiro no início deste mês.

Depois dele, debandaram o então vice de futebol, Pedro Lourenço, e Alexandre Mattos, que ajudaria na montagem de elenco durante o período de 60 dias.