cruzeiro, carlos ferreira

 

Um ex-integrante do Conselho Gestor do Cruzeiro não gostou nada da piada que Jair Bolsonaro fez com o rebaixamento da Raposa. Pelo Twitter, o ex-interlocutor do futebol Carlos Ferreira criticou o presidente da República.

"Não conhece a história do Cruzeiro, não sabe que somos 9 milhões de fanáticos e também eleitores, falou merda. Perdeu muito com isso", publicou na divulgação da matéria do jornal Hoje em Dia feita pelo repórter que a redigiu. 

O presidente Jair Bolsonaro visitou Minas Gerais na manhã do último sábado (28) e polemizou com o futebol. Em Araguari, no Triângulo Mineiro, o Chefe de Estado Brasileiro fez uma zoeira com o rebaixamento do Cruzeiro à Série B. 

"Alguém vai ver Cruzeiro e Asa de Arapiraca na Segunda Divisão ou não?", disse, acenando para o público presente, sem se atentar que o time alagoano não disputará à Série B do em 2020. 

Leia mais:
Bolsonaro faz piada com rebaixamento da Raposa: 'Alguém vai ver Cruzeiro e Asa de Arapiraca?'

Em tom de gozação o presidente arrancou risadas de parte dos presentes, mas o Asa de Arapiraca não faz parte dos 20 que jogarão à Segunda Divisão nesta temporada. 

Jair Bolsonaro acenou para o público sem máscara, ignorando recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) como medida de prevenção ao coronavírus. Só no Brasil a doença já matou mais de 57 mil pessoas e infectou quase 1,5 milhão de pessoas.

Conselho Gestor

Integrante do Conselho Gestor, Carlos Ferreira foi o responsável pela interlocução entre os administradores do Cruzeiro e o departamento de futebol celeste. 

Após a renúncia do presidente Wagner Pires de Sá em dezembro do ano passado um grupo de empresários assumiu o comando administrativo do Cruzeiro. A missão daquele que ficou conhecido como Conselho Gestor era tirar o clube do buraco, já que não havia dinheiro em caixa, salários de atletas e funcionários estavam atrasados, e a maior crise financeira e institucional tomava conta da instituição. 

Wagner Pires de Sá e outros ex-dirigentes celestes são investigados pelo Ministério Público de e Polícia Civil por suspeita de crimes como falsificação de documentos/falsidade ideológica, apropriação indébita, organização criminosa e lavagem de dinheiro.