Promovido ao elenco principal do Cruzeiro em 2016, o zagueiro Fabrício Bruno se transferiu para a Chapecoense, sendo peça importante na reconstrução do alviverde, após o trágico acidente aéreo que envolveu a delegação da Chape naquele ano. Em Santa Catarina, ganhou cancha, retornando ao clube celeste para esta temporada.

A mescla da experiência adquirida em Chapecó e a confiança depositada pelo atual técnico da Raposa, Rogério Ceni, é um dos trunfos para ele brilhar com a camisa azul e branca. O próximo passo dessa trajetória, na busca pela efetivação da titularidade na equipe, será neste domingo (25), às 19h, contra o CSA, no Rei Pelé, pela 16ª rodada do Brasileirão.

“Quando fui para a Chapecoense amadureci muito. Em 2016, eu não tinha essa qualidade de passe que tenho agora. O Rogério exige muito da gente nessa questão do passe. E vou aprimorar ainda mais para ir bem sempre que possível”, destacou o beque de 23 anos e 1,90 m de altura.

Assim como ocorreu na vitória por 2 a 0 em cima do Santos, Fabrício Bruno deverá atuar neste domingo na vaga de Léo, que se recupera de dores musculares. “Deixo nas mãos do Rogério. Ele precisava de mim para suprir a ausência de um jogador que tem história no clube. Dei meu melhor, e ele me parabenizou. Se optar por mim, estou á disposição. Quero fazer minha história aqui também”, disse Fabrício.

Em sua passagem pela Raposa, o zagueiro disputou 17 jogos e balançou as redes uma vez. Neste ano, foram nove partidas defendendo o clube celeste.