O Atlético dominou o futebol mineiro nos anos 1950, ganhando sete dos dez títulos estaduais, mas teve esta hegemonia encerrada pelo Cruzeiro, que venceu o Campeonato Mineiro em 1959, 1960 e 1961.

Na edição de 1962, a Raposa, que tinha alcançado o terceiro tricampeonato da sua história, buscava o primeiro tetra. Mas o Atlético impediu.

Os dois rivais terminaram o Campeonato Mineiro de 1962, disputado no sistema de pontos corridos, empatados com 31 pontos. Assim, tiveram de decidir o título numa melhor de 4 pontos, com todos os jogos no Independência.

Depois de perder a primeira partida da final em 10 de fevereiro de 1963 por 1 a 0, o Atlético venceu a segunda, por 2 a 1, três dias depois, e garantiu a taça com novo 2 a 1, mas com um sabor ainda mais especial, pois foi de virada. E com um gol olímpico de Toninho, na prorrogação, pois o tempo normal terminou empatado por 1 a 1.

1962

O time do Atlético que foi campeão mineiro de 1962, interrompendo uma sequência de títulos do Cruzeiro, que buscava o primeiro tetra da sua história

Esta foi a última decisão direta entre os dois rivais pelo título do Campeonato Mineiro antes da inauguração do Mineirão. E o Galo fez a festa no Horto.

A FICHA DO JOGO

ATLÉTICO 2
Marcial; Reginaldo, William, Procópio e Marcelino; Fifi e Dinar; Toninho, Afonsinho, Nilson e Noêmio. Técnico: Antoninho

CRUZEIRO 1
Mussula; Massinha, Vavá, Dilsinho e Geraldino; Nuno e Rossi; Nerival, Dirceu Pantera, Nelsinho e Raimundinho (Emerson). Técnico: Niginho

DATA: 15 de fevereiro de 1963
LOCAL: Independência
MOTIVO: Campeonato Mineiro de 1962
GOLS: Rossi, aos 25 minutos do primeiro tempo; Dinar, aos 10 minutos do segundo tempo; Toninho, aos 8 minutos do primeiro tempo da prorrogação
ARBITRAGEM: Witan Marinho, auxiliado por Elmo Sanches e Joaquim Gonçalves
CARTÃO VERMELHO: Massinha (Cruzeiro)
RENDA: Cr$ 3.499.500,00