O inquérito sobre a morte do ex-jogador mineiro Daniel Correa Freitas, 24, deve ser finalizado até o fim deste mês. Para isso, a Polícia Civil vai ouvir mais pessoas e irá indiciar o casal Edison e Cristiana Brittes, além da filha, Allana, por homicídio qualificado e coação de testemunhas. O atleta foi assassinado na residência do casal em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. 

A polícia não descarta a possibilidade de que outras três pessoas, que ainda não foram ouvidas, também sejam indiciadas. Além disso, o empresário, que seria ouvido na manhã dessa terça, deverá prestar depoimento nesta quarta-feira (7).

Investigações

Para a Polícia Civil, há "discrepância entre o que Edison e a família falaram sobre a morte do jogador", como afirmou Amadeu Trevisan, delegado de São José dos Pinhais. 

"Allana disse que ela colocou pijama na mãe, o Edison disse que foi ele. A filha disse que ao voltar da festa encontrou a mãe dançando sobre a mesa", disse. Já no depoimento dado nessa segunda-feira (5), Cristiana afirmou que estava dormindo e acordou "com Daniel apenas de cueca".

O delegado quer saber mais detalhes sobre o caso. Enquanto o empresário afirmou, em entrevista à TV, que agiu baseado na emoção do momento, Trevisan quer entender melhor o tempo que Edison teve para levar o jogador para um lugar deserto e abandonar o corpo que já havia sido torturado. 

Outro ponto é a coação. De acordo com a PC, a família procurou um amigo de Daniel e o ameaçou para que contassem a mesma história. 

Leia mais:
Vídeos de jogador em festas pouco antes de ser morto viralizam nas redes sociais
Empresário teria tentado coagir testemunha do homicídio de jogador de futebol mineiro no Paraná
Polícia ouve suspeitos de cumplicidade no assassinato de jogador de futebol mineiro