Foi sofrido, de virada, mas o América alcançou uma vitória importantíssima, por 2 a 1, sobre o Cruzeiro, no duelo de ida das semifinais do Mineiro. Um confronto que ficou marcado também pela confusão em campo e nos vestiários envolvendo integrantes das duas equipes. Um clima tenso que, na visão do atacante Felipe Azevedo, do Coelho, ainda paira no ar.

"Com certeza vai ter (clima quente de novo). A rivalidade (entre os dois times) está desde a temporada passada, na Série B, onde vencemos no Mineirão e perdemos em casa, em jogo polêmico e com gol de pênalti. Conseguimos o objetivo maior, que era o acesso, e chegamos numa fase muito importante na Copa do Brasil (semifinais). Isso acaba incomodando um pouquinho a equipe adversária, sabemos disso”, alfinetou o avante.

Segundo Azevedo, o América está se preparando arduamente, inclusive psicologicamente, para a batalha deste domingo (9), na busca pela vaga à decisão do Estadual.

“Do outro lado tem jogadores com currículo muito bom, vitórias e títulos. Mas do lado de cá também tem atletas com suas histórias, seus números no futebol, seus valores. Estamos bem tranquilos, (a confusão) faz parte. Sabemos como é, todo mundo quer passar. Estamos tranquilos para fazer um bom jogo e deixar isso fora de campo", disse.

Chegou a hora também, de acordo com Azevedo, de os mais experientes passarem conselhos importantes aos mais jovens.

“Temos que conscientizar a rapaziada mais nova, para não relaxar de maneira alguma. Temos um comandante que não nos deixa relaxar de forma alguma. Há uma vantagem, mas isso pode ser mudado rapidamente. Então vamos entrar para tentar vencer o jogo novamente. Uma vitória nos deixa mais tranquilos, em vez de pensar em derrota ou empate", afirmou.

Por ter ganhado o confronto de ida por 2 a 1, o América se classifica à final mesmo se perder por um gol de diferença para o Cruzeiro, no Independência.

América

América, de Felipe Azevedo, levou a melhor no último clássico contra o Cruzeiro