Na expectativa de iniciar bem a era pós-base, o zagueiro Vitor Mendes ainda não sabe se seguirá no Atlético em 2020. Emprestado pelo Santos ao clube mineiro, o jovem de 20 anos terá uma resposta, no máximo, até a semana que vem. Quem garante é Júnior Chávare, diretor das caterias inferiores do Galo.

Em entrevista ao Hoje em Dia, Chávare traduz as conversas com a equipe paulista como uma "queda de braços". Segundo ele, até a semana que vem haverá uma definição sobre o caso. Apesar de não falar em valores - a reportagem apurtou que o Peixe pede 400 mil reais para ceder o atleta em definitivo -, o dirigente assume que agora precisará colocar a mão no bolso caso seja objetivo do clube tê-lo na Cidade do Galo.

"Vamos ver o que vamos fazer. Contudo, não podemos esquecer da política de austeridade proposta pelo presidente Sérgio Sette Câmara", diz Chávare.

Para Mendes, tudo o que foi feito na equipe Sub-20, é mais do que suficiente para que haja um esforço dos atleticanos para mantê-lo. Caso não concretize, ele já fala dos planos como atleta profissional.

"Do meu ponto de vista fui bem desde o primeiro dia que cheguei no Atlético. Sempre mantive o alto nível, suportando os 90 minutos, me destacando como capitão e ajudando a equipe a conquistar os objetivos. Isso foi muito importante para minha subida ao profissional, embora não tivesse tido chance de estrear, pude deixar meu trabalho em evidência", diz o zagueiro ao HD.

"Sem sobra de dúvida me sinto bem confiante e preparado para começar um novo desafio como profissional. Acredito que o processo de base já está no final, meu pensamento agora é jogar profissionalmente e mostrar tudo de mim. É meu pensamento agora é jogar profissional e mostrar tudo de mim", conclui.