Às vésperas da abertura da Copa das Confederações, a Fifa quer evitar alta expectativa sobre o auxílio de vídeo que participará da arbitragem das partidas na Rússia. Segundo a entidade, a ajuda vai evitar erros graves, mas não "trará perfeição" para o jogos em solo russo, a partir deste sábado (17), com o jogo entre o anfitrião e a Nova Zelândia, em São Petersburgo.

"Queremos eliminar um erro escandaloso no futebol, um erro que pode ser lembrado por muitos anos", afirmou Massimo Busacca, chefe de arbitragem da Fifa, nesta quinta-feira. "Acho que a qualidade da arbitragem é muito alta, nunca perfeita", reforçou Marco van Basten, diretor técnico da Fifa.

O auxílio do vídeo vai servir, segundo a Fifa, para avaliar lances de gol, penalidades, expulsões e erros de identificação dos jogadores em campo. O objetivo da entidade é aprovar o uso recorrente da ferramenta para o uso na Copa do Mundo do próximo ano, também na Rússia.

O vídeo já vem sendo utilizado em torneios organizados pela Fifa, como o Mundial Sub-20 deste ano e amistosos internacionais, nos últimos meses. O primeiro evento da entidade com o auxílio para a arbitragem foi o Mundial de Clubes de dezembro passado.

Busacca alertou que a ferramenta ainda apresentará falhas na Copa das Confederações porque precisa ser aperfeiçoada. "Ainda temos que melhorar o recurso, claro. Mas não estamos com medo. Não temos muito tempo para treinar os árbitros, mas eles estão aprendendo muito rápido."

Ele admitiu que uma das dificuldades do auxílio de vídeo é a demora na avaliação do árbitro, algo que ficou evidente em alguns lances do Mundial Sub-20. "Em algumas situações, está demorando muito, sabemos disso", disse Busacca, que estabeleceu limite de seis segundos para a decisão do árbitro em casos de auxílio de vídeo.