A Justiça do Rio de Janeiro concedeu ao Flamengo o prazo de cinco dias para apresentar argumentos e impedir a interdição total do Ninho do Urubu, como é conhecido o centro de treinamento situado em Vargem Grande, na zona oeste do Rio, onde ocorreu um incêndio que matou dez atletas das divisões de base e feriu outros três, em 8 de fevereiro. Nesse mesmo prazo, o clube carioca deve se argumentar contra o arresto de R$ 57,55 milhões.

Os pedidos de interdição e de bloqueio dos bens foram apresentados à Justiça na última quarta-feira pelo Ministério Público e pela Defensoria Pública do Estado do Rio.

Para os dois órgãos, o centro de treinamento deveria ser mantido fechado até estar completamente regularizado perante o Corpo de Bombeiros e a prefeitura do Rio. O arresto, por sua vez, foi solicitado para viabilizar a futura indenização às famílias das vítimas.

O prazo de cinco dias foi solicitado pelo Flamengo e concedido pelo juiz Bruno Monteiro Rulière, do Juizado Especial do Torcedor e Grandes Eventos do Rio.

Leia mais:

Justiça dá 5 dias ao Flamengo para evitar interdição e bloqueio

Ministério Público do Trabalho pede bloqueio de bens do Flamengo

Audiência com famílias de vítimas e Flamengo termina sem acordo por indenização