taça, campeonato mineiro, troféu

Se o calendário do futebol não tivesse sido alterado pela pandemia do coronavírus, Minas Gerais "pararia" na tarde deste domingo (19) para assistir ao primeiro jogo da final do Campeonato Mineiro. Entretanto, como o mundo inteiro luta para combater o Covid-19, o estadual local está atrasado quatro rodadas (10ª, 11ª e dois jogos de semifinais) e ainda não tem uma perspectiva de ser retomado. 

Apesar dessa indefinição quanto ao dia em que será retomado, uma coisa é certa: o Campeonato Mineiro será finalizado em campo. Quem garante isso é o diretor de competições da Federação Mineira de Futebol (FMF) Leonardo Barbosa.

De acordo com Barbosa,  a FMF vai encerrar a competição "em campo"para honrar "compromissos milionários" com patrocinadores e investidores que colocaram dinheiro no Estadual. 

"Os campeonatos vão acontecer. O Estadual vai acabar. Não tem a menor chance de acabar agora. Primeiro, porque o campeonato tem que acabar no campo. Segundo porque temos um milhão de coisas envolvidas financeiras. Futebol é um negócio, e um negócio milionário. Temos cotas de TV milionária. Agora, como vai ser a adequação do calendário, depende da Fifa, Conmebol, CBF e com as federações", garantiu o dirigente em entrevista ao "Futclass", um perfil temático de futebol no instagram.
Ainda segundo o diretor de competições da FMF, não há nenhuma conversa para se mudar a fórmula de disputa do Estadual. "Hoje não existe nenhuma conversa de se alterar fórmula de campeonato, porque tem muita coisa envolvida, cota de TV, patrocínio. Nós vamos encerrar os campeonatos, e o Brasileiro vai acontecer do mesmo jeito. Mata-mata, turno único, nada disso. Tem muita coisa por trás", explicou. 

Há em andamento preparativos para condicionar o retorno do futebol em Minas Gerais com segurança. Protocolos serão seguidos assim que for confirmada a autorização para a retomada do calendário. Isso deve acontecer de portões fechados. 

"Nós estamos diante de uma situação do poder público, dos órgãos de saúde. A gente vem tomando as medidas, estamos criando um protocolo de segurança para que, quando puder voltar, ainda que com portões fechados, como vamos fazer. Vamos fazer os jogos com portões fechados, qual é o protocolo de saúde que tem que adotar para as poucas pessoas que lá estejam não se infectem, não sejam expostas. (...) Eu acho que portão fechado é inevitável, porque, assim, o que estão falando de aglomeração de show, de eventos com aglomeração é para agosto ou setembro. Se a gente tiver que aguardar agosto, setembro, aí de fato você vai inviabilizar o calendário. É um caminho sem volta", diz Leonardo Barbosa. 

Equipes

Apesar da vontade da Federação Mineira de Futebol, alguma equipes já dispensaram jogadores, como a URT, Patrocinense, Villa Nova e Uberlândia, o que seria um problema a mais para ser contornado. O Atlético, por meio do seu presidente, Sérgio Sette Câmara, ofereceu emprestar jogadores a esses clubes para que o Estadual possa ser finalizado.