Com os melhores tempos do mundo nas provas dos 100 e 200 metros neste ano, o norte-americano Justin Gatlin disse nesta quarta-feira que ele, e não mais o jamaicano Usain Bolt, é o homem a ser batido nas provas de velocidade. Porém, ele reconheceu que o grande objetivo de ambos nesta temporada é o Mundial de Atletismo de Pequim, em agosto.

"Agora eu não posso me considerar o favorito, porque ainda faltam vários meses", disse Gatlin. "Eu estou apenas tentando ficar saudável e forte. Mas ter dois dos melhores tempos do ano me coloca na posição de dizer entrando em um corrida: 'OK, eu sou o homem que estará lá e que vão correr contra".

Gatlin está em Roma, onde vai correr nesta quinta-feira a prova dos 100 metros em mais uma etapa da Diamond League. Há dois anos, no Estádio Olímpico, o norte-americano superou o jamaicano, que não participará da disputa dessa vez.

Com a marca de 9s74, Gatlin fez o melhor tempo do ano nos 100 metros na abertura da Diamond League em 2015, em Doha, no Catar. Apenas quatro velocistas já correram a distância mais rápido, incluindo Bolt, recordista mundial com o tempo de 9s58, estabelecido em 2009.

Na semana passada, Gatlin venceu a disputa dos 200 metros em 19s68, em Eugene, nos Estados Unidos, o melhor tempo do ano em 2015 - a marca também igualou o seu recorde pessoal na distância. "Eu estou apenas começando de onde parei no ano passado", disse Gatlin. "Eu quero ir lá e dominar cada corrida, e isso é o que eu venho fazendo".

Nesta quinta-feira, seus adversários incluem o francês Jimmy Vicaut, campeão europeu indoor em 2013, o são-cristovense Kim Collins, campeão mundial em 2003, o jamaicano Nesta Carter, recordista mundial do 4x100 metros, e o norte-americano Mike Rodgers.