O jogo desta sexta-feira (25) foi mais que especial para técnico americano Givanildo Oliveira. Antes do Coelho entrar em campo e vencer o Criciúma, o técnico foi homenageado pela diretoria do América pelos 200 jogos à frente do time. 

Em sua quarta passagem pelo Clube, Givanildo tem um retrospecto de 97 vitórias, 51 empates e 51 derrotas, de acordo com o historiador oficial do América, Carlos Paiva.

O treinador não consegue explicar o que determina sua forte identificação com o clube, mas confessa que se sente muito bem no América e em Belo Horizonte, onde se adaptou rapidamente em sua primeira passagem, apesar de ser pernambucano e ter residência em Olinda.

“Estou muito feliz pela marca histórica. E não sei explicar esta química, Gosto muito do Clube e da cidade. Minha mulher, inclusive, fala em morar aqui no futuro”, revela.

Givanildo não fala em aposentadoria, mas diz que levar o América novamente à Série A seria a realização de um sonho. “Estou com 67 anos e ainda sinto muito prazer em trabalhar. Eu tenho na cabeça a idade que pretendo parar, mas só eu e minha esposa sabemos”.