Mário Gobbi elogiou Alexandre Pato em vários momentos da decepcionante primeira temporada do atacante no Corinthians. Mas o presidente do clube, que chegou a chamar o jogador de "cracaço" e de "gênio da bola", já não o vê como a "surpresa agradabilíssima" que apontou, por exemplo, em julho.

O dirigente foi um dos muitos irritados com a cobrança de pênalti do camisa 7 na última quarta-feira, na derrota para o Grêmio. A cavadinha mal executada parou nas mãos de Dida, tirou a equipe da Copa do Brasil e fez o cartola admitir pela primeira vez a decepção com o investimento de R$ 40 milhões.

"Pelo potencial que o Pato tem, podia ter jogado muito mais. O fato é esse. Cobra-se mais de quem tem mais para dar. E ele tem mais para dar, tem o dom de jogar futebol, um dom muito grande. Ele ainda não conseguiu jogar aqui no Corinthians", afirmou Gobbi.

O atacante não chegou a cair no gosto da torcida, e a cobrança se tornará muito maior com a falha em Porto Alegre. Já nos vestiários da Arena do Grêmio, pouco após a derrota nos pênaltis, até a permanência do jogador de 24 anos foi questionada em perguntas ao presidente.

"O Pato é jogador do Corinthians. Não sei até quando vai o contrato dele (dezembro de 2016). O Alexandre foi mal no pênalti, bateu mal o pênalti", disse Gobbi, hesitante, antes de fazer mais uma aposta no atleta, menos convincente do que as anteriores. "Ele vai cumprir o contrato. Temos que fazê-lo jogar o potencial que tem, e ele tem potencial para jogar muito."