Destaque na preparação de goleiros no Brasil, Robertinho, responsável por treinar Fábio, Rafael, Vitor Eudes e Gabriel Brazão no Cruzeiro, foi o entrevistado do “Papo em Dia” no dia 10 de novembro deste ano. Na entrevista o membro da comissão técnica celeste contou a história de sua passagem nas categorias de base da Raposa ainda quando ele era adolescente. Durante um teste Robertinho acabou reprovado por causa de uma “concorrência gigante”.

“Eu desde sempre gostei de futebol e sempre como goleiro. Nas peladas eu era sempre o primeiro a ser escolhido; era o melhor e o único que queria ir no gol era eu. Com 12 anos, já jogava bola no meio do adulto. Menino do interior, muito pobre, família bem humilde. Eu tinha um vizinho e, com 13 anos, ele marcou um teste aqui no Cruzeiro. Estava indo até bem, estava treinando e quebrei o dedo. Chegou um goleiro de Ubá, de 1,92m, e eu tinha um metro e meio. Acabei dispensado por causa do tamanho. Fui para o Santa Tereza, onde joguei o campeonato de infantil”, contou.

 

 

Publicada a reportagem, o “goleiro de Ubá” leu a matéria nas páginas do Hoje em Dia e entrou em contato com a editoria de esportes e mandou um recado para Robertinho.

“Oi, Robertinho, tudo bem? Aqui é o Micheli, o goleiro de Ubá de 1,93m que chegou ao Cruzeiro e, que, por ironia do destino, te fez ir ao Santa Tereza. Fiquei feliz de saber que você, lá no fundo, lembra do episódio. Eu li a matéria no jornal (Hoje em Dia). E fiquei muito feliz de você ter guardado essa passagem nessa carreira vitoriosa sua. Venho te acompanhando e com certeza hoje é o melhor treinador de goleiros do Brasil, haja vista o trabalho que você faz com o Fábio e o nível em que ele joga em todos esses anos. Te desejo toda sorte do mundo e fica aqui o meu grande abraço. Desejo de sucesso sempre. Tudo de bom, felicidades”, disse Alexsandro Micheli, que jogou nas categorias de base do Cruzeiro e hoje mora em Ubá.

“Legal, muito legal mesmo. Ele lembrar de mim, éramos criança na época, sonhávamos em ser goleiros e um dia fazer sucesso, esse sonho todo de criança. Uma pessoa do interior que vem para cidade grande cheio de sonho na bagagem, essa é a verdade. Ele apareceu, uma pessoa disputou posição com lealdade, um cara diferenciado desde sempre. Provou agora isso, a humildade em lembrar da gente com carinho, desejando o melhor. É assim da mesma forma que lembro com muito carinho dele e desejo o melhor. E dizer que no fundo ele foi uma peça importante na minha trajetória, embora naquela época a gente não fazia ideia do que poderia acontecer. Mas entendo que ali foi o início de tudo, saí da casa do pai novinho, acostumado com a mãe fazendo as coisas e logo encontrei uma disputa pela frente. Isso foi aprendizado, ficou marcado na minha memória, e foi importante esse momento, saber que tinha que disputar. Guardo para mim até hoje e passo para os meus goleiros que a gente tem que disputar sempre (...) Lá atrás ele serviu e eu agradeço as palavras do Micheli, gostaria de sentar com ele, tomar um café e conversar”, disse Robertinho em entrevista ao programa Bate Papo Esportivo, da TV Horizonte, em parceria com o Hoje em Dia.