A seleção alternativa que o México trouxe para enfrentar o Brasil, neste domingo (7), e que vai levar para a Copa América não ameniza a briga pela posição de goleiro. Jesús Corona, titular na derrota por 2 a 0 para a seleção brasileira, continua insatisfeito por não ter o mesmo prestígio de Guillermo Ochoa, destaque na última Copa do Mundo. Mas, questionado sobre as disputas com o colega de posição, o jogador se esquiva.

Ochoa não integra a equipe porque junto com as principais estrelas, como Chicharito e Guardado, será poupado para a disputa da Copa Ouro, da Concacaf. "Temos que nos adaptar à maneira de decidir do técnico Miguel Herrera. Só nos resta ter paciência", disse o jogador de 34 anos, que atua no Cruz Azul. O goleiro chegou a ficar fora de três convocações da seleção mexicana depois da Copa e agora retorna para uma nova chance.

Corona foi titular durante a conquista do ouro olímpico, em 2012, e na Copa das Confederações de 2013, mas na Copa de 2014 ficou na reserva. Ochoa brilhou contra o Brasil, destacou-se na competição e depois, chamou a atenção e foi contratado pelo Málaga, da Espanha. Na atual equipe, Corona ainda disputa a preferência do técnico com Alfredo Talavera para tentar ser titular na Copa América, no Chile.

Titular contra o Brasil, Corona disse que o resultado deveria ser analisado com cautela, pois o México merecia um placar melhor. "Tivemos um futebol excelente até os 30 primeiros minutos, com um bom posicionamento. Aí vieram dois descuidos, quando eles marcaram os gols. Mas foi só isso. O Brasil não deu mais um chute. A nossa equipe mostrou solidez e é nisso que temos focar nossa análise do jogo", comentou Corona após o jogo no Allianz Parque.

O México está no Grupo A da Copa América e estreia na próxima sexta-feira, em Viña del Mar, contra a Bolívia. Depois a equipe enfrenta o Chile e encerra a primeira fase contra o Equador. "A nossa seleção está bem e estamos com muita confiança para o torneio", comentou o goleiro.