Um dirigente que não foge das polêmicas, se defende das críticas e põe o dedo na ferida. Itair Machado, vice-presidente de futebol do Cruzeiro, abre o jogo e fala sobre sua primeira temporada no futebol após uma pausa de quatro anos.

O executivoda Raposa critica a FMF, contesta ações da antiga diretoria azul, fala do momento financeiro do clube e das movimentações celestes no mercado da bola.

O Cruzeiro dá por encerrada a negociação pelo atacante Bruno Henrique?

O Cruzeiro procurou o jogador por meio de uma visita do Marcelo Djian ao presidente do Santos, mas tem 90 dias isso. Não deu negócio, mas até hoje divulgam que o Cruzeiro quer o Bruno Henrique. Tentamos abrir uma conversa, mas não foi possível.

O Cruzeiro vai contratar um grande jogador nesta janela de transferências?

Nós temos grandes jogadores. Contratar por contratar você incha o grupo e traz mais dívidas para o clube. Você tem que acertar nas contratações, e esse tipo de negócio é mais demorado. Não está tendo opção no mercado. Para tirar um jogador que a torcida não gosta, para trazer um outro mediano não resolve o problema. Nossa situação é ao contrário, temos o privilégio e a tranquilidade de saber que temos um bom grupo. Precisamos de quatro peças, mas estamos esperando o mercado acalmar. O que aconteceu até agora são movimentações normais, que se o Cruzeiro quiser faz 40 iguais, mas isso não nos interessa.

O Cruzeiro se preocupa com a média de idade do elenco, que é alta?

Preocupa se o jogador não se cuidar. Com a tecnologia que temos na Toca, se o jogador se cuidar não tem problema nenhum. Eu estava trocando ideia com o dirigente de um grande clube, e disse que ele não havia sido campeão brasileiro porque não tinha um elenco como o do Cruzeiro. Contra o Corinthians (na Copa do Brasil) o Cruzeiro soube segurar o jogo, controlar a bola. Isso é o jogador experiente, jogador novo não faz isso. Olha o caso do Edilson, deu resultado em jogos. Thiago Neves sempre decisivo. Por isso o Cruzeiro tem um trabalho para fiscalizar isso e conscientizar o atleta de se cuidar fora de campo.

Como foram os bastidores da anulação do cartão do Dedé na Conmebol?

O primeiro jogo foi um escândalo. Nós trabalhamos pesado nos bastidores. O Cruzeiro mostrou para o presidente da Conmebol que era justo anular. Eu conversei com o Caio Salum, irmão do Marcus Salum, do América, que quando você reclama com arbitragem na base da ignorância, quando você assiste na TV atesta que você está errado. Realmente é assim, e aquele lance do segundo jogo o juiz deixou o Cruzeiro nervoso. Mas nos lances capitais, tirando o gol do Barcos, que para mim foi legal, os outros ele acertou. Mas ficou claro que os argentinos trabalharam para ir à final, principalmente o Boca. Eles sabiam que no campo não eliminariam o Cruzeiro. Ter eliminado o cartão não interferiu na arbitragem, porque já estava determinado nos bastidores que iam operar o Cruzeiro. Quando está pré-determinado não há o que faça mudarem de ideia. O VAR só interferiu para ajudar os argentinos, mas eles pagaram.

Itair Machado, cruzeiro, vice-presidente

 

E a contratação do Fred, como foi?

O Atlético estava querendo diminuir a folha e entre os nomes que iam rescindir estava o Fred. A gente monitorou. Quando ele encerrou o contrato, por nossa boa relação, ele me procurou e imediatamente fizemos esse encaminhamento. Infelizmente a contusão prejudicou o Fred e ainda mais o Cruzeiro, pois com ele teríamos facilidade maior no ano, principalmente na Libertadores.

Você acredita que o Fred pode ser o grande reforço para 2019?

Do jeito que ele terminou o ano, acho sim. Jogou igual menino, correndo, movimentando, entusiasmado. Agora que ele virou o rei dos Stories (ferramenta de publicação de vídeos no Instagram), vai virar também o rei da área e fazer muitos gols para nós em 2019.

Em 2018 o Cruzeiro conseguiu pagar parte da dívida, ficou no zero a zero ou fechou no vermelho?

Tudo será discutido no balanço na virada do ano, mas acredito que diminuiu, pelo menos uns 10%. Dos R$ 262 milhões deve ter diminuído entre R$ 30 e R$ 40 milhões.

A que ponto as dívidas atrapalham o seu trabalho nas contratações?

A dívida do Giuliano Bertolucci foi um erro de comunicação com o advogado dele, porque ele deixou claro para mim que o Cruzeiro poderia pedir carência nessa dívida, que é pequena. Vamos recompor essa dívida. A questão do Mancuello acontece por que o Cruzeiro não concordou com os juros cobrados, e a discussão foi para a Câmara Nacional de Resoluções de Disputas. O Flamengo tentou liminar para bloquear dinheiro do Cruzeiro, mas não conseguiu, e estamos discutindo esses juros. Não é bom, realmente, para o clube ficar devendo, mas você faz da maneira que pode. Torcedor não gosta que fale de dívida, mas se você não repassar o que é a vida do clube tudo fica escondido. Tem uns fake news (perfis falsos na internet) contratados por um membro da diretoria anterior, agora eles compram perfis, para continuar criticando a nossa diretoria, principalmente a mim. Vários que estavam lá dentro com segundas intenções, nem falo de roubo. Até hoje lá dentro o fato que a gente viu estranho foi de R$ 100 mil por porcentagens de principais jogadores da base. Deram 20% para essa empresa, de todos os jogadores de uma viagem. O nosso Conselho Fiscal entende que é ilegal. O torcedor pode ficar despreocupado. Estamos no clube para equacionar as dívidas, montar time e ganhar títulos. O projeto nosso é para que em cinco anos o Cruzeiro seja uma grande potência da América, principalmente em estrutura, que é o que manda no futebol.

Corre o risco de o Cruzeiro precisar ‘pisar no freio’ no futebol e priorizar o pagamento de dúvida?

Acho que não. Dá para fazer os dois juntos. Se você mantém um bom time, na pior das hipóteses entra dinheiro com renda. O Campeonato Brasileiro dá dinheiro por colocação. É o contrário, se você não tiver um bom time, não consegue pagar a dívida. Tudo passa por ter um bom time.

itair machado, cruzeiro, papo em dia

E sobre o clássico dividido no Mineirão, sai ou não?

Dá parte do Cruzeiro já está certo. Essa questão do banco de reserva já foi superada, e o presidente do Atlético sabe disso. O que tem que ser feito é a Federação (FMF) tirar a bunda da cadeira e tomar a frente disso aí. Por que a Federação não faz? Se o Cruzeiro está falando que está ok, e o presidentes do Atlético também está ok, basta a Federação tomar a frente e fazer isso aí. Um dos dirigentes da Federação é contrário a isso. Pelo que eu entendo lá existem duas alas. Uma ala quer, a outra não quer. A ala atleticana, eu entendo que eles não querem. Por que eles não provocam uma reunião? Acho justo o pedido do Atlético ser mandante. No Brasil não tem juiz ladrão mais, nessa época que tinha, o banco de reserva poderia influenciar, pressionar o bandeira, hoje não. Por parte do Cruzeiro não tem problema nenhum. Vou pedir para que seja enviado um e-mail à Federação para que ela faça essa intermediação. Eu gosto de falar a verdade. O presidente me dá carta branca para falar dessas coisas. A única coisa que propus e o presidente do Atlético concordou, é que no clássico do Mineiro a renda não seja dividida, pois não sabemos se haverá outro clássico no Mineiro.

Na decisão da CNRD sobre a dívida de R$ 10 milhões do Fred, um dos votos cita uma entrevista sua. Você se arrepende do que falou?

Não arrependi. A prova de que o processo foi julgado por lobby é essa frase. Como que um cara julga uma ação e se baseia na entrevista de alguém? Ele tem que se basear se a lei permite ou não. Foi lobby puro. Se quiserem entrar na Justiça contra mim, pode entrar, aí nós vamos provar no processo se teve corrupção, lobby e outras coisas erradas que existem nessa administração. O Cruzeiro está tranquilo que na Justiça do Trabalho o Fred vai ganhar. Não pode ter escravidão. O Cruzeiro contratou um escritório de advocacia que é especializado em investigação e vamos investigar pesado em cima disso aí. Temos indícios de que aconteceu isso.

Alguém ameaçou te processar por esse tipo de declaração?

O que aconteceu é que o nosso diretor comercial, o Renê Salviano, estava em uma pelada junto com o vice-presidente da CBF e da FMF, Castellar Guimarães. Ele mostrou uma mensagem do vice-presidente da CBF perguntando onde estava o áudio que eu tinha falado (sobre lobby). E disse que era para ele entrar na Justiça. Para você ver como é antiético. Um vice-presidente da CBF, vice da Federação, vai mostrar mensagem do presidente da CBF para um diretor do Cruzeiro em uma pelada. Está tudo errado, amadorismo, lobby puro. Acredito que o presidente da CBF não está envolvido nisso, o Caboclo. Eu sempre falei e sempre falo. Enquanto a Federação Mineira estiver na mão dessas pessoas, enquanto ele estiver na CBF, tudo relacionado ao Cruzeiro nós vamos perder. Ele (Castellar) teve a cara de pau de falar que nem sabia os membros da CNRD que iam julgar o processo do Atlético. Você vai na internet e vê foto dele vestido de mascote do Atlético. Cara declarado atleticano doente. Você acha que ele não iria saber quem julgaria? Não preocupo com justiça, eu estou certo. O Cruzeiro vai ganhar na Justiça do Trabalho junto com o Fred.

O que representa o Mano Menezes para o Cruzeiro?

Representa ter a tranquilidade de ter um treinador de verdade, que ganha títulos e ajuda no dia a dia do futebol. A gestão dele é muito boa. Ele é uma grande pessoa, um grande gestor. Temos tudo, somado ao grande elenco que temos, para ganhar títulos novamente. Estamos trabalhando para ganhar títulos, o Cruzeiro é uma fábrica de títulos. Temos que arrumar lugar para guardar nossos troféus.