Conquistar títulos se tornou algo frequente na história do Sada/Cruzeiro. No último sábado (15), a equipe ampliou sua hegemonia na América do Sul, conquistando pela sétima vez o Sul-Americano. Agora, como uma máquina de bater seus próprios feitos, a Raposa vai em busca do hepta da Superliga.

Nesta temporada, além do Sul-Americano, as taças da Copa Brasil e do Campeonato Mineiro foram para o Barro Preto. O único revés foi no Mundial de Clubes, disputado no Ginásio Divino Braga, e vencido pelo Lube Civitanova, da Itália. Mesmo com a derrota, o bom desempenho do time celeste deu início a uma grande sequência de boas exibições e vitórias nas outras competições.

cachopa

Líder da competição mais importante do país com um jogo a menos em relação aos principais rivais, o time comandado por Marcelo Mendez parece distante de estar em declínio. Pelo contrário. Após bater de frente com as principais forças do mundo em Betim, a equipe passa a impressão de estar cada vez mais consolidada. 

E seguindo a cartilha de equipes hegemônicas em todos os esportes, o fato de saber o caminho da vitória em momentos decisivos é um ponto que caminha ao lado do Cruzeiro.

No Sul-Americano, por exemplo, um nome simbolizou o espírito vencedor que caminha desde o início do projeto. O ponteiro Felipe, multicampeão, saiu do banco para ser uma peça fundamental na vitória diante do Taubaté, por 3 a 2, na semifinal.

Calendário

Até o final da Superliga, o técnico Marcelo Mendez terá a oportunidade de medir forças com seus principais concorrentes ao título. Como de praxe, clubes favoritos a conquistar o torneio se enfrentarão na reta final da primeira fase.

O próximo compromisso do Cruzeiro é no Rio de Janeiro. Nesta quinta-feira (20), a equipe visita o Sesc, quarto colocado. Em março, a Raposa ainda irá até São Paulo enfrentar o Sesi e receber no Ginásio do Riacho o Funvic/Taubaté, atual campeão do torneio.

Destaque
A temporada 2019/2020 vem sendo especial para Fernando Cachopa. Muito criticado na última edição da Superliga, sua primeira como titular do time, o levantador vem provando o porquê do status de promessa que carrega desde a base.

O jogador da seleção brasileira foi eleito o Jogador Mais Valioso (MVP) do Campeonato Sul-Americano e agora tem a missão de comandar a equipe rumo ao título do torneio nacional.

As atuações de destaque com a camisa estrelada colocam o gaúcho como favorito a integrar o elenco que vai representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio.