Para o pequeno atleticano Bernardo Hosken, o cinto de utilidades do Batman, a incrível força do Hulk e o escudo inquebrável do Capitão América estão em segundo plano. A verdadeira “super força” é representada por um simples par de luvas. Afinal, são elas que transformam o mortal Victor em um ser “santificado”, que completará nesta quarta-feira (16), contra o Santos, 200 atos de heroísmo pelo Atlético, em pouco mais de três anos como atleta do Galo.

Na manhã desta terça-feira (15), acompanhado do pai e da prima na Cidade do Galo, Bernardo, vestindo a camisa 10 do Atlético, mas com as luvas nas mãos, conheceu o maior ídolo. Dele, Victor recebeu um dos mais simbólicos e demorados abraços. E sentiu o carinho não só de uma criança, mas de todos os torcedores que classificam o goleiro como o grande libertador da história alvinegra.

“A energia se renova por tempo indeterminado! Da série de coisas que não têm preço na vida...”, escreveu Victor, em seu perfil pessoal do Instagram, abaixo da sequência de fotos entre o primeiro olhar e o abraço carinhoso de Bernardo.

O goleiro voltou a sentir o gosto de defender um pênalti. No clássico de domingo, saiu novamente reverenciado. Na Vila Belmiro, nesta quarta-feira (16), às 22h, voltará a ter os holofotes apontados em sua direção. Afinal, são 200 jogos e inúmeros capítulos marcantes. E o próximo é a conquista do Brasileirão. “Dentro de um planejamento individual é minha grande obsessão. Eu já bati na trave algumas vezes, não tive a oportunidade de ganhar este campeonato e eu trabalho focado para conquistá-lo”, diz Victor.

Em 2015, o arqueiro tem 100% de assiduidade. Sem lesões e suspensões, atuou nos 51 jogos da equipe. No atual elenco, somente Léo Silva e Marcos Rocha somam mais jogos do que o ídolo atleticano.

Voos maiores

Com contrato renovado até o final de 2019, Victor pode pensar em quebrar um recorde que reina absoluto no Atlético desde 1992. João Leite, o “goleiro de Deus”, entrou em campo pelo time 684 vezes. É o atleta com mais presenças pelo clube. Victor atua, em média, 62 jogos a cada 12 meses. Se ficar no alvinegro por mais oito temporada – até os 40 ano – irá bater a marca do atual deputado.

“Até torço para que consiga me superar. Só tenho agradecimentos. Afinal, foi com ele que o Atlético teve as principais conquistas”, diz João Leite, que conversa com Victor através do Whatsapp.“Mandei mensagem o parabenizando pelo pênalti defendido. É um jogador exemplar.”