cruzeiro, raposa, toca da raposa

 

O pedido do Cruzeiro à Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) para voltar aos treinamentos na Toca da Raposa II ainda não chegou ao gabinete do prefeito Alexandre Kalil. Mas a informação apurada pelo Hoje em Dia é que essa decisão não será tomada pelo chefe do executivo municipal da cidade, e, sim, pelo Comitê de Enfrentamento à Epidemia da Covid-19, grupo que tem sido o responsável por todas as decisões técnicas e cinentíficas em relação à pandemia pelo novo coronavírus na capital mineira.

O Hoje em Dia fez contato com Unaí Tupinambás, que é professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Doutor em doenças infecciosas e parasitárias, e um dos membros desse comitê de enfrentamento. E a posição dele não é animadora para o departamento de futebol cruzeirense.

“Acho que não deve abrir agora. O isolamento social deve ser mantido pelo menos até o dia 25 de maio. Qualquer tentativa é precoce, perigosa, mesmo em se tratando de jovens, como é o caso dos jogadores, pois há várias pessoas em volta deles, como integrantes de comissão técnica, outros profissionais do clube e familiares. Mesmo entre eles existe o risco, a despeito de a Covid-19 ser mais branda entre os jovens, mas pode comprometer o processo”, analisa o especialista em entrevista ao HD.

Recentemente, Alexandre Kalil foi enfático e disse que em BH o futebol não retornaria, e que pensar nisso era coisa de "débil mental". O prefeito ressaltou em entrevista no último domingo, à Rádio Gaúcha, que na capital mineira os jogos estavam fora de cogitação.

E"u continuo defendendo que pensar em futebol agora é coisa de ignorante, de débil mental. Pensar em futebol onde estão colocando corpos em refrigerador é coisa de débil mental. O momento é difícil, eu sei. Estamos falando de esperar alguns meses. Se não tiver campeonato regional, não vai matar ninguém. Ninguém vai morrer em 2020 se não tivermos um campeão estadual", criticou.

Segundo previsões do comitê criado pela PBH, a flexibilização do isolamento social em Belo Horizonte pode começar a partir de 25 de maio. Mas em entrevista coletiva no início da tarde desta segunda-feira (11), o prefeito Alexandre Kalil disse que isso vai depender da atitude da população.

A posição é a mesma de Tupinambás: “Afirmo que é prematuro antes de 25 de maio, pois essa data inclusive pode ser prorrogada”, ressaltou. 

Na manhã desta segunda-feira, a Rádio Itatiaia informou que o Cruzeiro fará um pedido à Prefeitura de Belo Horizonte para retomar as atividades na Toca da Raposa II.