Recuperado de uma lesão no joelho e buscando aprimorar a parte física, o volante Jair agarrou a oportunidade dada pelo técnico Sampaoli na vitória por 2 a 1 sobre o América, neste domingo (02). Além do bom rendimento dentro das quatro linhas, o jogador foi o autor do primeiro gol do alvinegro no clássico de ida das semifinais do Campeonato Mineiro.

Substituído na segunda etapa, o meio-campista afirma que poderia ter ficado mais uns minutos em campo, mas admitiu que chegar ao apito final não seria possível.

“Dava para ter aguentado mais, mas ainda não estou 100% estou buscando melhorar para estar 100%. Me cobro muito para não machucar, mas é uma coisa que vem me atrapalhado muito. Estou trabalhando para estar 100% fisicamente. O grupo está há três meses treinando, eu estou há três semanas, então é claro que estou um pouco abaixo fisicamente”, comentou durante a coletiva desta segunda-feira (03) na Cidade do Galo.

Questionado sobre a oscilação que o Atlético, mais uma vez, teve contra o alviverde – o time de Sampaoli foi muito bem na primeira etapa, mas acabou caindo de rendimento na segunda -, Jair acredita que tenha sido a mudança de postura do adversário, que acertou a marcação no vestiário. Sobre a vantagem de jogar por um empate na quarta (5), no confronto marcado para o Independência, ele pede cautela.

“Importante a gente ter esta pequena vantagem. É um jogo perigoso. Temos que entrar ligado e ganhar o jogo. É jogar para cima. Essa é uma qualidade do Sampaoli e que o Galo sempre teve”, destacou o camisa 8.

Fim da Jair-dependência

Se em 2019 o Atlético vivia a “Jair-dependência” – termo inventado para traduzir a falta que o volante fazia à equipe quando não era relacionado, principalmente pela falta de boas peças no setor -, em 2020 as opções são mais fartas na função. Questionado se isso faz com que o peso nas costas diminua, o jogador respondeu:

“O Atlético contratou muito jogador bom na minha posição, tem o Franco, o Sena, o Allaa... Isso só me faz evoluir e crecer. É uma competição sadia dentro do grupo. Não sei se é esse termo que deveriam ter usado. Com esses novos jogadores e a qualidade que eles têm vai nos ajudar muito”, destacou.

“Desde que o Sampaoli chegou, me cobra muito a saída do jogo. Gosto de chegar na área e de estar concluindo. Estamos conversando. É uma característica minha. Se der vou chegar para tentar fazer gol”, finalizou o volante.