O confronto entre Cruzeiro e Palmeiras neste domingo (9) às 16 horas no Mineirão será o primeiro com o retorno da venda e consumo de cerveja em Minas Gerais. A Lei 21.737 foi publicada na manhã desta quinta-feira. A venda será feita da abertura dos portões até o fim do intervalo entre o primeiro e o segundo tempos.
 
Não será permitido o consumo nas cadeiras e arquibancadas do estádio, conforme diz o texto publicado hoje. Com isso, a Minas Arena não venderá a cerveja sem álcool, que era comercializada desde a proibição. Todos os setores do estádio serão contemplados com a venda em seus bares.
 
O não cumprimento pode acarretar em punições ao consumidor e ao vendedor que não respeitar os locais definidos para uso e comercialização das bebidas. A multa para o consumidor é de no máximo 500 Ufemgs (próximo a R$ 1.361,45), além da expulsão das dependências do estádio. Se for fornecedor, a multa é de no máximo 5.000 Ufemgs (equivalente a R$ 13.614,50), além de advertência escrita. Em caso de reincidência os valores poderão ser dobrados.
 
A proposta contou com o apoio dos clubes, que se uniram à Federação Mineira de Futebol para apoiar a aprovação da nova legislação. Em julho deste ano o Cruzeiro se manifestou sobre a questão e ressaltou que a proibição trouxe vários prejuízos ao clube. O principal argumento é que o torcedor continua bebendo do lado de fora do estádio até a hora do jogo, provocando assim tumultos nos acessos e catracas no momento da entrada, como aconteceu na vitória por 1 a 0 sobre a Chapecoense, quando muitos cruzeirenses não conseguiram entrar e voltaram para casa. Além disso, o clube tem participação nos lucros das vendas no interior do Gigante da Pampulha.

Dirigentes de Cruzeiro, Atlético e América chegaram a se reunir com o deputado estadual e um dos dirigentes do Coelho, Alencar da Silveira Jr. para debater a questão, chamada de irracional pelo presidente do Atlético Daniel Nepomuceno. 

“É a modernidade. A lei está redondinha. Resolve o problema de quem quer ir ao estádio com os amigos e, enquanto aguarda o time entrar em campo, toma uma cervejinha. Não há mal nenhum”, disse Alencar ao Hoje em Dia em julho deste ano.

No ano passado, a Assembleia da Bahia aprovou uma proposta similar, mas a legislação local foi considerada inconstitucional e está sendo analisada pelo Supremo Tribunal Federal. Enquanto isso, as bebidas estão sendo vendidas normalmente no estado.
 
Confira na íntegra o comnicado da Minas Arena
 
Com relação à promulgação da Lei 21.737, de 5 de agosto de 2015, a concessionária informa que a comercialização de cerveja no Mineirão acontecerá a partir da partida deste domingo, entre Cruzeiro e Palmeiras, nos termos regidos pela referida lei. A venda acontecerá nos bares inferiores do estádio, atendendo a todos os setores. Uma campanha de orientação ao torcedor será veiculada nos canais de comunicação do Mineirão, cartazes, telões e sistema de som da Esplanada e anéis de circulação. Importante ressaltar que continua proibido o acesso ao estádio de alimentos e bebidas, assim como o consumo de bebida alcoólica no estacionamento.
 
Desde a divulgação do Projeto de Lei que trata da comercialização de bebida alcoólica nos estádios, o Mineirão está trabalhando de forma incessante para que as famílias estejam presentes nas partidas, e que o torcedor continue assistindo aos jogos com conforto e segurança. Importante ressaltar que, nesses quase três anos de operação do estádio, não houve incidentes graves nas dependências do Mineirão relacionados à segurança.
 
Como é vedado comercializar ou consumir bebida alcoólica nas arquibancadas e cadeiras do estádio, sujeito a aplicação de multa pelo poder público, para auxiliar na identificação e no cumprimento da lei, neste primeiro momento, não serão vendidas nos bares do estádio bebidas de coloração semelhante à da cerveja.