O Tribunal de Justiça do São Paulo concedeu liminar favorável a Neymar e suspendeu o direito do fundo de investimento Teísa de ter acesso aos contratos referentes à negociação do atleta para o Barcelona. O fundo é formado por empresários ligados ao Santos e detinha 5% dos direitos do atacante, vendido para o time espanhol em 2013.
 
Diante dos valores questionados pelos envolvidos na Justiça, a Teísa tinha conseguido o direito de conferir detalhes dos documentos contratuais de Neymar com o Barça. Na decisão que agora suspendeu o direito de acesso por parte da Teísa, o Desembargador Luiz Beethoven Giffoni Ferreira, integrante da 2ª Câmara de Direito Privado, entendeu, por ora, que há relevantes questões que justificam o deferimento da liminar.
 
A negociação que levou Neymar para o Barcelona representou 17 milhões de euros, repartidos entre Teísa (5%), grupo DIS (40%) e o restante para o Santos. No entanto, meses depois do acordo, a Justiça espanhola entendeu que a família de Neymar recebeu 40 milhões de euros do Barcelona. Os pais de Neymar alegam que o valor foi recebido a título de "direito de preferência" do atacante.
 
Já os investidores e o Santos acusam o pai de Neymar, Neymar Silva, de ter se apropriado indevidamente da transação -a família não tinha direito a porcentagem na transação.