A polêmica apresentação do novo uniforme do Atlético na noite da última segunda-feira (15), continua gerando repercussão. A acusação de machismo por conta da utilização de modelos trajando biquínis durante o desfile gerou discussão nas redes sociais e até um posicionamento da nova fornecedora atleticana, a Dry World. No entanto, o ex-presidente do clube, Alexandre Kalil, preferiu criticar o debate.

Através de sua página no Twitter, Kalil minimizou as acusações e desviou o assunto ao criticar a corrupção no País. "Num país com tanta roubalheira, implicar com bunda de fora parece sacanagem. Esse assunto já deu", escreveu.

O posicionamento de Kalil vai na contramão da discussão gerada pela forma com que o Atlético decidiu apresentar o uniforme. Movimentos feministas, muitas mulheres e diversos homens consideraram ofensiva e de mau gosto a ideia do clube de mostrar a nova camisa com modelos vestindo a parte de baixo de biquínis e expondo suas pernas. O desfile gerou bastante repercussão e tomou conta das redes sociais nos últimos dois dias.

A polêmica foi tanta que até a Dry World se manifestou sobre o assunto. Na última terça-feira, a marca chegou a explicar que a opção por realizar a apresentação desta forma foi do próprio Atlético. A empresa ainda pediu desculpa por algumas camisas fabricadas por ela, que nas sugestões de lavagem na etiqueta diziam: "Dê para sua esposa".

Além de criticar e tentar deslegitimar a discussão gerada pela atitude do clube que comandava, Kalil brincou com a situação. "Virei até meme", escreveu o ex-dirigente antes de postar uma imagem na qual dizia que "se não parar o 'mimimi'", realizaria o lançamento da próxima camisa em uma boate de Belo Horizonte.