É impressionante o envolvimento de dirigentes e conselheiros do Cruzeiro com a gestão Wagner Pires de Sá, que é alvo de investigação na Polícia Civil e na 11ª Promotoria Justiça de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público de Minas Gerais (MP). Segundo relatório da Kroll, empresa multinacional e referência em investigação, due diligence, compliance, segurança cibernética e gestão de riscos de segurança, que foi entregue na tarde desta segunda-feira (18) pelo Conselho Gestor ao MP, “foram feitos pagamentos a empresas, sócios, familiares e empresas de familiares de 52 pessoas que são ou foram dirigentes/conselheiros do clube”. Isso a partir da investigação de 619 nomes.

ArteCLIQUE PARA AMPLIAR

Ainda neste ponto, em relação ao pagamento do Cruzeiro para pessoas ligadas ao clube, isso na gestão Wagner Pires de Sá, outro número impressiona. O clube pagou, isso num período de dois anos, mais de R$ 6 milhões a empresas vinculadas a esses 52 conselheiros, o que é proibido pelo Estatuto desde outubro de 2015.

Trinta conselheiros foram excluídos do quadro do Conselho Deliberativo, mas 28 deles já conseguiram na Justiça o retorno e inclusive o direito de votar na próxima quinta-feira.

Há ainda mais de R$ 2 milhões pagos a empresas de consultoria jurídica, tributária e de engenharia, “com descritivo genérico de de atividades e sem comprovação de serviços prestados”.

arteCLIQUE PARA AMPLIAR

Outros R$ 600 mil foram pagos como comissão pela negociação de contratos com patrocinadores do Cruzeiro, o que, na prática, é a pessoa recebendo duas vezes pelo mesmo serviço.

Legal

Todas essas questões, que foram repassadas ao Ministério Público, só poderão ser consideradas crimes se a movimentação do dinheiro tiver alguma irregularidade.
O fato de conselheiros receberem do Cruzeiro ou de terem sido feitos pagamentos sem a prestação do serviço, é uma irregularidade que precisa ser punida pelo Conselho Deliberativo.

E a eleição da próxima quinta-feira tem um papel importante neste aspecto, pois os dois presidentes eleitos terão de comandar a “limpeza da casa”.