A temporada de 2019 do Cruzeiro é marcada pelo fracasso. E dentro deste cenário, o carrasco é sem dúvida o Internacional, adversário da Raposa neste sábado, às 21h, no Mineirão, pela 23ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro.

E neste confronto no Gigante da Pampulha, o primeiro do time sob o comando de Abel Braga diante da sua torcida, mudar essa história é fundamental, pois mais uma derrota diante do Colorado será um passo decisivo do Cruzeiro rumo à Série B do Brasileirão.

Marcos da crise existem muitos na trajetória celeste em 2019, mas os vividos diante do Internacional são sem dúvida os mais marcantes.

Virada

O sofrimento azul diante do Colorado começou em 12 de maio, no Beira-Rio, quando os dois clubes se enfrentaram pela quarta rodada do Brasileirão.

Foi a 26ª partida do Cruzeiro no ano. Até então, o aproveitamento era de 78,66%, com o time de Mano Menezes tendo vencido 18 partidas, empatado cinco e perdido apenas duas.

A derrota de 3 a 1 para o Internacional iniciou a série de 11 partidas seguidas do Cruzeiro sem vitória no Campeonato Brasileiro, a maior da história do time na competição, igualando uma marca negativa de 2011.

Além disso, após essa derrota no Beira-Rio, a terceira da Raposa na temporada 2019, o time entrou em campo mais 27 vezes. E o aproveitamento é desastroso, de apenas 24,69%.

Foram apenas três vitórias cruzeirenses desde aquele 12 de maio, sobre Atlético, na Copa do Brasil, Santos e Vasco, na Série A. Em compensação, o time perdeu 13 vezes e empatou outras 11.

Queda

O segundo encontro com o Internacional em 7 de agosto, no Mineirão, na ida das semifinais da Copa do Brasil, marcou o fim da Era Mano Menezes na Toca da Raposa II depois de mais de três anos no comando do Cruzeiro.

O Colorado venceu por 1 a 0 e encaminhou a vaga para a decisão da competição que naquele momento era a prioridade absoluta dos cruzeirenses, já eliminados da Libertadores pelo River Plate, da Argentina, ainda nas oitavas de final, e brigando contra o rebaixamento no Brasileiro.

Crise

A partida de volta entre Cruzeiro e Internacional levou quase um mês para ser disputada, pois aconteceu apenas em 4 de setembro.

Rogério Ceni, que tinha chegado à Toca da Raposa II para substituir Mano Menezes seduzido pela chance de decidir e ganhar a Copa do Brasil, teve naquela noite o início do seu fim. Sofreu a primeira derrota à frente do Cruzeiro, e de forma contundente, pois foi um 3 a 0 desmoralizante.

Além disso, após o jogo teve início de forma mais clara sua “briga” com o meia Thiago Neves, que criticou suas improvisações na partida.

Realidade

A briga pelos inéditos hepta da Copa do Brasil, no geral, e tri, em sequência, estava enterrada. O abalado cofre do clube não receberia a bolada destinada aos finalistas da competição. E a temporada se resumia a brigar contra o rebaixamento. E nesta dura realidade, vencer o Internacional na noite deste sábado é fundamental.

CRUZEIRO X INTERNACIONAL
Motivo
: 23ª rodada do Campeonato Brasileiro
Local: Mineirão
Horário: 21h
Arbitragem: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ), auxiliado por Marcelo Carvalho van Gasse (SP) e Carlos Henrique Alves de Lima Filho (RJ)
VAR: Pathrice Wallace Corrêa Maia (RJ)
Transmissão: Premiere

CRUZEIRO
Fábio; Orejuela, Dedé, Fabrício Bruno e Egídio; Ederson, Jadson, Robinho e Thiago Neves; David e Fred
Técnico: Abel Braga

INTERNACIONAL
Marcelo Lomba; Heitor, Bruno Fuchs, Víctor Cuesta e Zeca; Rodrigo Lindoso, Edenílson, Nonato (D’Alessandro), Nico López e Patrick; Guerrero
Técnico: Oldair Hellmann