Para aceitar o desafio de assumir o comando do Atlético em março, o técnico Jorge Sampaoli colocou como um das condições a formação de um elenco capaz de brigar por títulos.

Desde então, a diretoria do Galo foi ao mercado e desembolsou mais de R$100 milhões para atender aos desejos do técnico argentino.

Somando os jogadores que chegaram ao clube antes da vinda de Sampaoli, o Alvinegro já contratou 17 jogadores em 2020.

Com tantas caras novas, o comandante argentino tem recorrido pouco as categorias de base do clube para armar a equipe durante os jogos.

De acordo com um levantamento feio pelo jornalista Rodolfo Rodrigues, entre os 20 times que disputam a Série A do Campeonato Brasileiro, o Galo é apenas o 16º  que mais utilizou jogadores formados no clube.  (Confira a lista completa abaixo)

Até o momento, o zagueiro Gabriel, e os meias-atacantes Marquinhos e Sávio são os representantes da base do Alvinegro no Brasileirão.

Entre eles, o destaque fica por conta de Sávio, que mesmo com apenas 16 anos, vem ganhando prestígio com o técnico argentino, que o utilizou por alguns minutos nos dois últimos jogos.

Já Marquinhos, que chegou a ser titular da equipe em algumas partidas da temporada, soma oito jogos no Brasileirão, mas perdeu espaço recentemente.

O último jogo de Marquinhos na competição foi no dia 9 de setembro, na derrota por 3 a 1 para o Santos, na Vila Belmiro, pela 9ª rodada do torneio. 

Já o zagueiro Gabriel, que soma 136 partidas pelo Galo, atuou apenas na estreia do Brasileirão, na vitória do Alvinegro por 1 a 0 sobre o Flamengo.

Desde então, o defensor tem sido a quinta opção para a posição, atrás dos titulares Réver e Júnior Alonso, e dos suplentes Igor Rabello e Bueno.

Além dos três jogadores citados acima, outras duas pratas da casa compõe o elenco principal do Atlético, à espera da primeira oportunidade com Sampaoli.

O meia Calebe, de 20 anos, foi relacionado para algumas partidas do campeonato, mas ainda não estreou.

Já o zagueiro Matheus Henrique, de 21 anos, é outro que tenta vencer a forte concorrência no setor para vestir pela primeira vez a camisa do time alvinegro no Brasileirão.

Bruno Silva

Quem também poderia entrar nessa conta é o atacante Bruno Silva. Aos 20 anos, o jogador chegou ao Atlético no segundo semestre do ano passado, vindo da Chapecoense.

Mesmo com várias partidas pelo time principal da Chape, incluindo algumas pela Copa Libertadores, em um primeiro momento Bruno veio para integrar o time sub-20 do Galo.

Antes de ser incorporado ao elenco principal, Bruno disputou 10 partidas pela base do Alvinegro.

Já sob o comando de Sampaoli, o atacante disputou duas partidas pelo Brasileirão, mas, com poucas oportunidades com o argentino, recentemente acertou seu retorno para o clube catarinense.

Flamengo e Santos na ponta

No levantamento de Rodolfo Rodrigues, o Flamengo aparece no topo da lista dos clubes que mais usaram jogadores formados nas categorias de base no Campeonato Brasileiro, com 13 nomes até o momento.

Esse número, entretanto, foi inflacionado pelo surto de Covid-19 que atingiu o Rubro-Negro nos últimos dias, fazendo com que 19 jogadores fossem contaminados pelo vírus.

Com isso, o clube carioca foi obrigado a mandar a campo uma formação repleta de jovens para o duelo com o Palmeiras, que terminou empatado em 1 a 1, no último domingo, em São Paulo.

Em segundo lugar na lista aparece o Santos. Tradicional formador de talentos, o Peixe tem utilizado ainda mais a base em 2020, como alternativa para atenuar a delicada situação financeira do clube, o que fez, inclusive, com que a Fifa o impedisse de registrar novos jogadores até que débitos com o Hamburgo, da Alemanha, e o Huachipato, do Chile, sejam quitados.

Confira quantos atletas da base cada clube utilizou no Brasileirão até o momento:

13  - Flamengo

12  - Santos

11 - Vasco

10 - São Paulo

10 - Fluminense

10 - Athletico-PR

9 - Botafogo

8 - Goiás

8 - Grêmio

8 - Inter

7 - Corinthians

6 - Palmeiras

4 - Sport

4 - Coritiba

4 - Bahia

3 - Atlético

2 - Atlético-GO

1 - Bragantino

1 - Ceará

1 - Fortaleza