Já são 49 jogos, 26 vitórias, 15 empates, oito derrotas, 58 gols marcados e 35 sofridos. O desempenho de 63,2% vem acompanhado de excelentes campanhas na Série B do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil. Esta é a síntese da trajetória de Lisca no América, e o currículo dele no alviverde ganhará mais “uma linha” neste domingo (20), a partir das 16h.

O duelo com a Chapecoense, no Independência, valendo a liderança da Segundona, será o 50° de Lisca à frente do Coelho, a quem o treinador faz juras de amor.

"Sempre quis trabalhar no América, por ser um clube protagonista, principalmente na Série B e que projeta vários profissionais. Estou muito feliz. O América é qualidade de vida, muito legal de se trabalhar, tranquilo, um clube-família”, afirmou o comandante.

Com Lisca, o América ficou em terceiro lugar no Mineiro, ocupa a vice-liderança da Série B, a dois pontos da Chapecoense, e está nas semifinais da Copa do Brasil, após ter eliminado times como Ponte Preta, Corinthians e Internacional. Só que o alviverde quer mais. E seu treinador, também.

“Não tem como mensurar onde (o América) vai chegar, é jogo a jogo. Os resultados estão bons, mas queremos mais, queremos muito mais. Queremos crescer como pessoas e profissionais. O trabalho está legal, e precisamos finalizar a Série B, fazer dois bons jogos contra o Palmeiras e buscando a classificação. Palmeiras é superfavorito, mas temos nossas pretensões. Nosso time é organizado e chato", disse.

América