Ivone Bachi, mãe do técnico Tite, morreu no início da tarde deste sábado (9) em São Bráz, interior de Caxias do Sul (RS), de causas naturais. Ela tinha 83 anos. Ainda não há informações sobre o velório e sepultamento.

As primeiras homenagens começaram ainda na tarde deste sábado. Antes do início do jogo entre Caxias do Sul e Juventude, no estádio Alfredo Jaconi, os jogadores fizeram um minuto de silêncio. Tite foi técnico do Caxias e campeão do Campeonato Gaúcho em 2001.

Dona Ivone foi uma das grandes incentivadoras da carreira do técnico da seleção brasileira. Durante a Copa do Mundo da Rússia, no ano passado, ela recebia ligações do filho diariamente e assistia aos jogos da seleção. Mas nem sempre foi assim. No início, a preocupação com o resultado do jogo do time do "Ade" - como a família se refere a Tite - a deixava nervosa, e ela evitava a todo custo assistir aos jogos.

As revelações foram feitas em entrevista exclusiva ao Estado, em agosto de 2017. Ela revelou que reconheceu a vocação do filho para o futebol desde cedo, assim como a insistência de Tite em seguir carreira. O pai de Tite, Tenor Bachi, morreu em 2009, aos 74 anos, quando Tite era o técnico do Inter.

Muito ligado à família, o treinador sempre diz que só teve sucesso graças ao apoio dos pais. Quando Tite foi apresentado como técnico do Brasil, em 2016, ele se emocionou ao falar sobre o momento em que deu a notícia para Dona Ivone. Em sua primeira entrevista como técnico da seleção, Tite ganhou uma camisa da equipe com o nome de sua mãe nas costas. "Eu disse: 'Mãe, seu filho é o técnico da seleção brasileira'. Ela começou a chorar e me deu bênção", contou o treinador, emocionado.