Capitão brasileiro na Davis lamenta duelo fora de casa

Gazeta Press
11/04/2013 às 11:53.
Atualizado em 21/11/2021 às 02:44

O sorteio dos confrontos da repescagem do Grupo Mundial da Copa Davis foi realizado nesta quarta-feira (10) e o Brasil não teve muita sorte. Mesmo que não tenha caído contra algumas das potências, a equipe brasileira enfrentará a difícil Alemanha fora de casa. João Zwetsch, capitão brasileiro na competição, ressalta que ter que ir até a casa do adversário brigar para se manter na elite da competição é a principal dificuldade, já que ele acredita que todas as equipes estão em um nível parecido.

"A primeira coisa que esperávamos era poder jogar em casa. Todos os times são fortes, obviamente alguns quando completos são muito mais fortes como a Suíça e a Espanha, que talvez seja a melhor equipe de todas quando completa. Todos os outros se equivalem, o Japão fora de casa seria complicado", afirmou João.

A disputa será realizada entre os dias 13 e 15 de setembro e a convocação dos jogadores brasileiros deve ser feita até o dia 3 do mesmo mês. Além de jogar na casa dos adversários, o País terá que esperar os alemães escolherem em que tipo de quadra serão realizados os jogos. A especialidade de grande parte do grupo do Brasil é o saibro, mas o mais provável é que seja escolhido o piso de quadra rápida.

"Nossa equipe está tendo uma crescente quando se junta. Na mentalidade, na busca de uma coisa só, o respeito de todos trabalhando juntos e isso está nos fazendo cada vez mais fortes. Muita gente pensou que estávamos mortos na sexta-feira contra os Estados Unidos, mas quem acompanhou de perto sabia que acreditávamos na vitória e chegamos perto de consegui-la", declarou o técnico, otimista com a evolução da equipe.

Ciente da dificuldade, o capitão analisou o confronto e seus maiores desafios, mas afirma que o Brasil tem total capacidade de sair vencedor. "Se o Haas jogar, fica ainda mais forte ainda pelo tênis que ele vem jogando. Mas para ficar no Grupo Mundial sabemos que temos que enfrentar e vencer times desse nível. Tem quatro ou cinco times com nível de ganhar de qualquer um, tem mais uns 16 times que também são fortes, mas a gente tem condições de jogar de igual para igual e é isso o que temos que pensar e preparar para fazer desde já", concluiu.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por