A Nike rompeu a parceria com o atacante Neymar, do Paris Saint-Germain, porque o craque brasileiro se recusou a colaborar em uma investigação interna da marca, após uma funcionária tê-lo acusado de assédio sexual, conforme publicou o jornal americano The Wall Street Journal na quinta-feira (27). 

Em resposta à matéria, a assessoria de imprensa de Neymar negou e disse que o atacante vai “se defender vigorosamente desses ataques sem fundamento caso alguma denúncia formal seja apresentada, o que não aconteceu".  

O caso teria ocorrido em junho de 2016, quando o atleta fez uma campanha publicitária no Citi Field, estádio de beisebol em Nova York. A mulher, que era funcionária da Nike há muito tempo, ajudava a coordenar eventos e fazia a logística para a comitiva do brasileiro. 

neymar e jordan

Na ocasião, em 2016, Neymar encontrou Michael Jordan

Naquela noite, o grupo foi a uma boate para comemorar e, segundo o “Wall Street Journal”, funcionários do hotel onde Neymar estava hospedado pediram ajuda à mulher e a outro representante da Nike para que levassem o atacante ao seu quarto, porque o jogador estaria muito embriagado.

Ao entrar no local, a vítima teria afirmado que o brasileiro a impediu de sair do quarto, tirou a cueca e tentou forçá-la a fazer sexo oral nele. A funcionária relatou o incidente a vários amigos e colegas da empresa, segundo pessoas ouvidas pelo veículo.

Ainda segundo matéria do jornal inglês, a funcionária registrou uma reclamação para a empresa em 2018 e descreveu o ocorrido para o chefe de recursos humanos e conselho geral da empresa. A Nike teria contratado advogados para conduzir uma investigação a partir de 2019 e decidiu deixar de usar Neymar no marketing.

Fim de contrato

A marca encerrou seu relacionamento com o atacante em 2020, depois que o atleta não cooperou com a investigação. "A Nike encerrou seu relacionamento com o atleta porque ele se recusou a cooperar na investigação, após alegações de irregularidades apresentadas por um funcionário", disse Hilary Krane, conselheiro geral da Nike ao The Wall Street Journal.

Rompimento

Em entrevista à GloboNews nesta sexta (28), o pai de Neymar também negou que o filho tenha cometido assédio. "Nós estamos surpresos, a gente não sabe o que está acontecendo, só soa estranho para a gente, soltar essas coisas agora?", questionou.

Nike e Neymar assinaram o primeiro contrato quando o atacante tinha 13 anos de idade. Aos 19, quando conquistou a Copa Libertadores da América pelo Santos, a empresa renovou o vínculo por mais 11 anos. Atualmente, o craque é patrocinado pela PUMA.

(*) Especial para o Hoje em Dia

Leia mais:
Herdeiro de Mário de Castro: Diego Tardelli integra a lista dos históricos camisas 9 do Atlético
Hulk jogará o Brasileirão após quase 17 anos e vai em busca de 4ª artilharia nacional
Cruzeiro pode virar 10º em ranking dos pontos corridos e deve ser ultrapassado pelo Atlético