Após quase sete anos, Wanderlei Silva voltará a lutar no Japão, país onde se consagrou para o mundo do MMA no extinto evento Pride. O "Cachorro Louco" enfrentará, neste sábado (2), o americano Brian Stann, na luta principal do UFC on Fuel TV 8, na Saitama Super Arena, na Terra do Sol Nascente.

E o solo nipônico traz boas lembranças a Wanderlei. Lá, o Cachorro Louco possui 22 vitórias, sendo 15 por nocaute, todas nos pesos-meio-pesados, categoria que dominou entre os anos de 2001 e 2007 no PRIDE, e volta a ingressar neste sábado. Desde 2010, Wanderlei Silva vinha atuando entre os médios no UFC, e acredita que terá agora a vantagem de não mais ter que passar por dieta agressiva para derrotar a balança.

"Estou me sentindo super bem. Fiz bastante musculação na minha preparação e a suplementação da Integralmédica foi muito importante nessa fase, para me manter sempre em ganho muscular, de força e energia, com riscos de lesão reduzidos", analisou o lutador. "Na categoria de baixo me sentia com menos explosão e punch. Normalmente peso 98 kg, então bater os 93kg acaba ficando muito fácil. Fiz meu camp praticamente todo no peso que vou lutar", afirmou o "Cachorro Louco".

Wanderlei Silva estreou no UFC entre os meio-pesados, mas após perder para Rich Franklin, em 2009, decidiu descer para 84kg. Nesta categoria, conseguiu duas vitórias e uma derrota. O mesmo Rich Franklin foi seu adversário e algoz em sua última apresentação, no UFC 147, em Belo Horizonte, em junho de 2012.

“Fiz a mudança para categoria dos médios em virtude do meu tamanho. Sou pequeno para a categoria dos meio-pesados. Mas essa perda de peso estava muito difícil e me desgastando demais. Ficava de dieta entre quatro e cinco meses, além de ter de desidratar muito na semana da luta. Aí pedi ao patrão (Dana White) para voltar aos 93kg”, explicou.

Um dos grandes ídolos do esporte no Japão ,Wanderlei não escondeu a felicidade de lutar novamente na Terra do Sol Nascente. E quer coroar esse reencontro com a torcida nipônica com um nocaute em cima de Brian Stann.

“Voltar a lutar no Japão é a realização de um sonho. Mal posso esperar para sentir a energia do povo japonês novamente. Vou enfrentar um adversário muito duro, mas se Deus quiser vou fazer uma grande apresentação. Vocês podem ter certeza que esse combate não irá até o final. Alguém vai cair nocauteado e espero que seja o Brian Stann”, concluiu.