Veganismo e esporte

Vários atletas de alto rendimento pelo mundo seguem dieta vegana

Letícia Lopes
@leticialopesou
15/04/2022 às 07:10.
Atualizado em 15/04/2022 às 09:48
Uma dieta vegana não utiliza nada de carne ou de origem animal, como leite, queijos e ovos (victoria shes/unplash.com)

Uma dieta vegana não utiliza nada de carne ou de origem animal, como leite, queijos e ovos (victoria shes/unplash.com)

Uma das principais preocupações de quem não conhece o veganismo é o que a falta de alguns nutrientes pode acarretar na saúde da pessoa, além de não entender como fica o cardápio sem o consumo de carne. 

Como já adiantou o especialista em fisiologia humana e do esporte Leonardo Rossi, é difícil traçar números e resultados que associam veganismo/vegetarianismo a atletas. Porém, conseguimos saber que há uma crescente neste estilo de vida pelo mundo. Segundo o IBOPE, em 2018, 14% da população brasileira se declarava vegetariana.

Macrís fez a transição para dieta vegana de uma vez (Reprodução/Instagram)

Macrís fez a transição para dieta vegana de uma vez (Reprodução/Instagram)

 Entre os atletas, mesmo que números concretos não tenham sido, ainda, divulgados, já conseguimos citar grandes referências adeptas ao veganismo. Além da levantadora Macrís, em Minas Gerais, vários atletas internacionais são veganos e continuam trabalhando em alta performance. A lista tem nomes como os tenistas Novak Djokovic, Serena e Venus Williams, o piloto de fórmula 1 Lewis Hamilton, o bodybuilder Patrik Baboumian,e o jogador de futebol Aguero. 

Se estão no mundo inteiro, há uma dúvida recorrente. O que comem os atletas veganos para permanecerem com a saúde inabalável. Macrís afirmou apostar em alimentos naturais integrais e orgânicos, fugindo dos industrializados e processados.

Alguns exemplos estão no arroz, raízes, como batata e mandioca, grão de bico, ervilha, lentilha, feijão, saladas, frutas, geléias e, sem esquecer de gorduras, que podem ser encontradas em castanhas, fibras ou suplementos.

Há também que se atentar para o sexo biológico da pessoa vegana e atleta. O fisiologista Leonardo Rossi informou que deve haver diferenças nas dietas de cada um. O motivo se dá totalmente por conta da fisiologia, uma vez que, veganos ou não, homens acabam precisando de quantidades maiores de nutrientes para desenvolverem suas funções em alta performance. 

Alimentação e humor 

O fisiologista Leonardo Rossi também fez um apontamento importante sobre a deficiência de alguns nutrientes em nosso corpo sem o consumo de carnes. Ele explica como a falta de proteínas, que podem ser derivadas de animais, são necessárias ao nosso corpo e interferem até no nosso humor. E, para atletas de alto rendimento, o humor é um aliado importante.

“Vamos começar pelo carboidrato e pelo açúcar. Você pode comer pão, batata, o que for. O seu corpo não quer saber. Ele vai fazer a quebra e transformá-la em glicose, que é o único alimento que nosso cérebro consome, entrando diretamente no neurônio. Se você consome pouco carboidrato, seu cérebro vai ‘estar com fome’, o que gera estresse e mau humor”, começou.

“Em relação à proteínas, carnes, falamos sobre neurotransmissores, que são como hormônios do sistema nervoso central. Dentre eles, alguns são chamados de catecolaminas, hormônios proteicos: adrenalina, noradrenalina, dopamina, serotonina, que é o hormônio responsável pela felicidade. Da mesma forma, se você tem uma carga baixa de proteína, você afeta o corpo inteiro, toda sua carreira de neurotransmissores e sinalização celular serão afetadas. E você tem neurônios ali que controlam a ansiedade. Somado ao fato de que o atleta de alto rendimento vive sob grande pressão por todas as partes, inclusive a física”, concluiu. 

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por