O técnico Mano Menezes quer começar o desafio de vencer no Palmeiras a partir da luta para superar a rejeição dentro do clube e com parte da torcida. Para isso, o treinador teve nos últimos dias gestos importantes nos bastidores, na entrevista coletiva e nas redes sociais para tentar quebrar a identificação com o Corinthians e se aproximar do público.

Mesmo antes de fechar a vinda de Mano Menezes, o Palmeiras viu a torcida se manifestar de forma contrária. No Twitter, a rejeição à escolha pelo treinador fez a hashtag #ManoNao aparecer como um dos assuntos mais comentados da rede social neste início de semana. Nos bastidores também houve reprovação. O sinal mais contundente foi o áudio gravado pelo presidente do Conselho Deliberativo, Seraphim Del Grande, com o comentário de que a vinda do novo técnico prejudicaria a gestão do presidente Maurício Galiotte.

No dia do anúncio do acerto com o Palmeiras, Mano voltou a usar o Twitter. O treinador não publicava nada nas redes sociais há quase dois anos e resolveu atualizar a rede social com duas mensagens. "Grandes sonhos precisam de grandes decisões. Ao Palmeiras e a torcida Palmeirense o meu sim: 'Sou Palmeiras, sim senhor!'", escreveu, com referência à música cantada pela organizada Mancha Alviverde.

Logo depois o treinador voltou a publicar nas redes sociais. "Vamos trabalhar cada segundo para conquistarmos esse sonho juntos. Nossos adversários têm que ser os outros", comentou. Em resposta, o perfil oficial do Palmeiras reforçou o recado: "Estamos juntos!". Mano só começou a trabalhar no clube nesta quinta-feira, quando foi apresentado e depois, comandou o primeiro treino.

Mano buscou conhecer melhor o elenco e se cercar de informações. O treinador conversou bastante com o treinador do sub-20 do Palmeiras, Wesley Carvalho, com quem tem contato desde 2000. Os dois se conheceram naquele ano, quando ambos dirigiam equipes sub-17 e se enfrentavam em competições da categoria. Mano trabalhava no Inter, enquanto o colega estava no Vitória.

O novo técnico foi recebido na Academia de Futebol pelo diretor de futebol Alexandre Mattos e pelo presidente do clube Maurício Galiotte. Ao se apresentar para a entrevista coletiva, Mano contou ter estudado a história do Palmeiras e citou, por exemplo, as duas Academias de Futebol, ao inclusive mencionar os dois respectivos treinadores.

O comandante alviverde também tentou quebrar o clima negativo no clube ao evitar se aprofundar nos protestos recentes e na saída do antecessor, Luiz Felipe Scolari. Mano buscou ainda agradar a imprensa, ao descartar vetar entrevistas dos jogadores na saída do primeiro tempo e prometer permitir a realização de entrevistas exclusivas com os atletas, algo vetado meses atrás.

Na rotina do clube o treinador quer voltar a abrir treinos para os jornalistas a partir da próxima semana, prática descartada por Felipão desde agosto do ano passado. "Não costumo enxergar inimigos onde não tem. Não acho que a imprensa seja meu maior adversário. Não vou proibir entrevistas exclusivas, porque esse não é o meu trabalho", disse Mano.

Leia mais

Rival do Cruzeiro, Grêmio tem desempenho de mandante no Novo Independência

Atlético inicia venda de ingressos para partida decisiva contra o Colón: Confira os detalhes