Na véspera do primeiro clássico com o Atlético pelas quartas de final da Copa do Brasil, marcado para esta quinta-feira (11), às 20h, no Mineirão, o técnico Mano Menezes garantiu que o time celeste está imune à grave crise institucional que o Cruzeiro atravessa.

Em entrevista coletiva, concedida na tarde dessa quarta-feira, na Toca da Raposa II, o comandante celeste procurou tranquilizar o torcedor, afirmando que o time está imune aos problemas extracampo que vem acometendo o clube.

“Nós somos o Cruzeiro. O time, o torcedor. Nós é que temos que ir para dentro de campo e mostrar, como sempre, a capacidade, a grandeza do clube, a grandeza desse grupo, que vem conquistando títulos. Não temos problema de salário, não temos problema de nada. O Cruzeiro vai estar forte na disputa com o Atlético nas quartas de final. O resto tudo é paralelo”, completou.

Favoritismo

Questionado se o momento atual das equipes dá o favoritismo a alguma das equipes, o treinador da Raposa foi enfático, afirmando que crê em muito equilíbrio na disputa.

“Se nós tivéssemos numa situação melhor do campeonato, na tabela, se tivéssemos terminado a fase anterior com uma vantagem assim, eu estaria aqui dizendo que não tem favorito. Então como é o inverso, vou dizer que não tem. Não vamos usar o peso para uma situação e um peso para outra. O jogo por si só é peculiar, ele traz a tradição, traz a disputa, a rivalidade. E somado a isso tudo temos o fato de ser um jogo decisivo, que aponta um dos semifinalistas da Copa do Brasil. Não tem, não. Será uma disputa, imagino, parelha, de detalhes, como acontece na maioria das vezes”.

Seleção

Outro tema comentado por Mano na coletiva foi uma suposta sondagem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para que ele assumisse a Seleção Brasileira em caso de saída do técnico Tite.

“(Vi) como especulação (possibilidade de ir para a Seleção). Como mais uma das especulações, que acontecem com muita frequência nas paradas. Quando tem menos jogos, tem mais especulação. A gente é muito tranquilo quanto a isso. Vi dessa maneira”.