Em jogo marcado pela forte chuva que caiu em Belo Horizonte durante todo o domingo (17), América e Cruzeiro mostraram pouca inspiração, e empataram em 0 a 0, no Independência, pela 7ª rodada do Campeonato Mineiro.

Apesar de ter sido bastante disputado durante os 90 minutos, o duelo teve poucas chances claras de gol, e a igualdade no placar permaneceu até o final da partida.

“Acho que o placar do jogo foi justo. A gente fez um primeiro tempo um pouco melhor, mas teve bastante dificuldade no segundo, aceitou a marcação, não conseguiu construir jogadas que pudessem construir a vitória. Por isso, achei justo. Em contrapartida, proporcionamos muito pouco ao América. Talvez o clássico de hoje tenha sido mais clássico do que todos os outros. Geralmente é assim, poucas oportunidades”.

Mano Menezes também avaliou o comportamento do time, cobrando dos jogadores uma característica muito presente desde que voltou ao comando do time em 2016: a competitividade.

“Esses jogos que vão dando um parâmetro mais próximos da necessidade da temporada, deixa claro algumas coisas, falta um pouco de competitividade para equipe. E até algumas alternativas, como jogadas ensaiadas. A gente teve um grande número de bolas alçadas na área, temos que cabecear mais, temos jogadores de estatura e acostumados a fazer gols assim. São detalhes que temos que ajustar para vencer um jogo parelho em uma bola parada, como todo mundo faz, você tem que ganhar o jogo, e como temos vários jogos com essa dificuldade, temos que trabalhar para melhorar isso”, completou.

Raniel

O comandante da Raposa também comentou sobre a situação de Raniel, que ganhou uma vaga no time titular contra o América, no lugar de Fred, que foi poupado.

“É um jogador que já fez gols importantes em momentos importantes. Vencemos um clássico aqui (no Independência), ano passado, contra o Atlético, com gol de Raniel. Um jogo que ele iniciou (jogando). Mas a gente às vezes demora pra aceitar isso: ele ainda é um menino, ainda é um jogador em formação. Temos que ter paciência com jogadores em formação, porque senão você queima um jogador a cada dois jogos. E não é assim que funciona. A gente precisa ajustar coisas importantes. Ele também precisa ajustar. Hoje ganhou muitas bolas na frente, algumas que em outros jogos ele perdia, deixava escapar. Hoje não deixou escapar quase nenhuma. Já melhorou a proteção. Vamos trabalhando, esse é o caminho”, pontuou.

O Cruzeiro volta a campo no próximo domingo, às 19h, para enfrentar o URT, no estádio Zama Maciel, em Patos de Minas.