Palco maior do futebol brasileiro, ou até mesmo mundial, o Maracanã, um dos sinônimos de futebol, completa 70 anos nesta terça-feira. Não há motivo para festa, muito pelo contrário, pois o estádio abriga um dos hospitais de campanha do Rio de Janeiro na batalha contra o novo coronavírus. Mas a lembrança tem de existir. E o futebol mineiro faz parte dela.

O Hoje em Dia separou sete fatos históricos sobre o palco das finais das Copas de 1950 e 2014 para destacar as sete décadas do Maracanã.

Brasil Uruguai 1950O gol uruguaio que decretou a perda da Copa do Mundo de 1950 pelo Brasil fez de Bigode, mineiro de Belo Horizonte e revelado pelo Atlético, um dos jogadores injustamente responsabilizado por aquela derrota

O primeiro personagem mineiro no estádio é sem dúvida João Ferreira, o Bigode, que nasceu em Belo Horizonte em 1922, se transferiu do Atlético para o Fluminense em 1943, mas já era jogador do Flamengo quando foi titular da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1950.

E depois do goleiro Barbosa, ninguém foi tão injustamente culpado pela derrota de 2 a 1 para o Uruguai, na decisão do Mundial de 1950, como Bigode, que era lateral-esquerdo, portanto o responsável por marcar justamente Ghiggia, o homem responsável por calar o Maracanã pela primeira vez em sua história naquela tarde de 16 de julho de 1950, exatamente um mês após a inauguração do estádio.

Títulos

A “vingança” mineira pelo massacre carioca a Bigode veio em dose dupla. Em 30 de janeiro de 1963, na decisão do último grande Campeonato Brasileiro de Seleção, disputado em 1962, Minas Gerais conquistou o título dentro do Maracanã, derrotando a Guanabara por 2 a 1, de virada, depois de fazer 1 a 0 na ida, no Independência.

Leia mais:

Maracanã 70 anos: América teve a chance de mudar a sua história no estádio em 2018 e desperdiçou

Maracanã 70 anos: a história atleticana no estádio além das finais do Brasileiro em 1971 e 1980

Maracanã 70 anos: Cruzeiro garantiu no estádio passagem para final da Taça Brasil de 1966

Em 19 de dezembro de 1971, na última rodada do triangular final do Campeonato Brasileiro, o gol de Dario deu ao Atlético o título da competição com a vitória de 1 a 0 sobre o Botafogo.

Decepções

O segundo título brasileiro de um clube mineiro no estádio escapou duas vezes. Em ambas, sobram reclamações contra a arbitragem. Em 1º de agosto de 1974, o Cruzeiro perdeu de 2 a 1 para o Vasco o jogo desempate do Brasileirão daquele ano. E reclamou demais da atuação de Armando Marques.

Em 1º de junho de 1980, o Atlético entrou no Maracanã para enfrentar o Flamengo precisando do empate para conquistar seu segundo título nacional dentro do estádio. Mas perdeu por 3 a 2 numa partida em que os alvinegros apontam José de Assis Aragão como o grande vilão.

Maracanã 1950O Maracanã em 1950, ano da sua inauguração, em relatório sobre a Copa do Mundo que teve ele como maior palco

Alegrias

Do hexacampeonato cruzeirense na Copa do Brasil, dois títulos, o tetra e o penta, começaram a ser construídos dentro do Maracanã, com empates por 1 a 1 com o Flamengo, nas partidas de ida das decisões de 2003 e 2017.

Em 8 de junho de 2003, Alex, com um gol de letra espetacular, marcou para os cruzeirenses. Em 7 de setembro de 2017, coube a Arrascaeta o papel de calar parte do Maracanã, pois os 10% de cruzeirenses que estavam no estádio cantaram alto uma provocação carregada de verdade: “Aa, uu, o Maraca é nosso!”.