Em meio a tantas denúncias, o Cruzeiro tenta sobreviver ao mar de polêmicas e pressões no clube, dentro e fora de campo. E se muitos achavam que a parada para a Copa América poderia trazer um pouco de paz aos bastidores da Raposa, equivocou-se. A cada dia uma notícia nova traz mais rivalidade entre posição e oposição no clube.

De olho em tudo o que acontece, principalmente na má fase dentro de campo, o diretor de futebol celeste, Marcelo Djian, comentou o atual cenário estrelado. O dirigente acompanhou no Mineirão, ao lado da esposa, o empate em 1 a 1 de Argentina e Paraguai, partida do Grupo B da Copa América.

“A gente fica chateado. Apesar de nós estarmos no clube, tem que se apurar as denúncias que foram feitas. Algumas denúncias, alguns erros que aconteceram por parte do Cruzeiro foram por falta de conhecimento, principalmente no caso do garoto de 11 anos, que foi colocado como garantia, não sabia que tinha todo aquele problema. Isso foi a coisa que marcou mais na denúncia, mas eu estou tranquilo com relação a isso”, comentou.

Em uma sequência sem resultados positivos no Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro terá um mês de julho, quando o calendário nacional for retomado, muito intenso. Serão, além dos jogos do Brasileirão, decisão da Copa do Brasil contra o rival Atlético, e contra o River Plate, na Libertadores.

“Momento difícil, não gostaria de estar nesse momento. A gente espera, principalmente dentro de campo, dar a resposta que o torcedor está querendo. E fora de campo, como vocês tem acompanhado, está sendo tudo apurado das denúncias. E vamos aguardar”, falou, seguindo com o seu raciocínio.

“Estou mais preocupado com relação à parte esportiva, que é o que o eu realmente faço, e que o time não vem apresentando um bom momento no Campeonato Brasileiro. Temos agora a chance na Copa do Brasil e na Libertadores de procurar passar pelo Atlético e pelo River. No Campeonato Brasileiro, temos que dar uma resposta rápida. A gente espera dar neste mês de julho”, frisou.

Pressionado pelo resultado o técnico Mano Menezes chegou a ver o seu nome envolvido em uma provável saída do clube. O que Marcelo Djian considerou como “notícia errada”.

“O Mano continua. Em momento algum foi pensando em retirá-lo. Foram dadas notícias de forma errada. O Mano continua e a gente espera que o time volte a jogar bem”, concluiu.

 

 

Conflitos

Na última quarta-feira os bastidores do clube ficaram ainda inflamados. Os presidentes do Cruzeiro, Wagner Pires de Sá, e o presidente do Conselho Deliberativo do clube, Zezé Perrella, mostraram diferenças por meio de notas oficiais que tratavam sobre a marcação de uma reunião extraordinária com os conselheiros no dia 8 de julho. 

Wagner, que estatutariamente tem o "poder" de solicitar essa reunião, quer que o encontro aconteça no começo de julho. No entanto, Zezé Perrella já havia marcado também um encontro extraordinário para o dia 5 de agosto. 

Perrella sugere que a data por ele escolhida seja mantida, para que na reunião se tenha dados da sindicância que foi instaurada para apurar internamente as denúncias, apresentadas no programa Fantástico, no fim do mês de maio.

Já Pires de Sá entende que o encontro pode ser realizado antes. 

Boletim de ocorrência

Também na última quinta a esposa do presidente Wagner Pires de Sá foi citada em um boletim de ocorrência, registrado em um posto policial no bairro do Barro Preto, região Centro-Sul de Belo Horizonte.

A mulher do presidente celeste, segundo a secretária do Conselho Deliberativo, entrou sem permissão na sala da presidência do Conselho procurando Rogério Nunes, assessor de Zezé Perrella. Como não o encontrou, acabou discutindo com a própria secretária e a demitiu.

A Secretária ainda acusou no registro feito na Polícia que a esposa de Wagner Pires levou documentos do Conselho sem a autorização. 

Sobre a Copa América

Apesar de toda a bagunça nos bastidores, Djian falou de sua ida ao Mineirão neste período de parada do futebol brasileiro: “Vim acompanhar o jogo que tem grandes estrelas, principalmente o Messi. A esposa queria ver o Messi jogar, nada demais, apenas isso”, explicou.