A constelação do Cruzeiro do Sul é um dos marcos no uniforme celeste. E nesta quinta-feira (19) o clube comemora data importantíssima. Há 60 anos a Raposa usava pela primeira vez na história uma camisa com as cinco estrelas soltas do lado esquerdo do peito.

No dia 19 de setembro de 1959 o Cruzeiro empatou em 1 a 1 com o Renascença, e foi exatamente nesse jogo, nos “Eucaliptos”, estádio do adversário, que o time do Barro Preto vestiu pela primeira vez o manto com um dos mais representativos símbolos do clube. 

As estrelas soltas na camisa azul substituíram na época o escudo e os detalhes brancos nas mangas e nos punhos. Antes de mudar o informe o modelo anterior de camisa do Cruzeiro apresentava as cinco estrelas envoltas em um círculo branco. 

O jogo

A partida entre Renascença e Cruzeiro foi válida pelo Torneio Eliminatório, uma prévia do Campeonato Mineiro na época. O empate em 1 a 1 classificou a Raposa para o Estadual de 1959.

Os gols do jogo foram marcados por Fernando, que abriu o placar para o Renascença, e Abelardo, do Cruzeiro, responsável por empatar o confronto. 

Destaque na imprensa

A mudança no uniforme do Cruzeiro foi tratada com "timidez"pela imprensa, que não deu tanto destaque na época para o ocorrido. O Diário de Minas, um dos grandes jornais mineiros naquele tempo,  deu destaque para o resultado do confronto, mas sequer mencionou em suas páginas a novidade no manto estrelado.

Já o Estado de Minas citou em algumas linhas e com o auxílio de uma foto a novidade em sua edição do dia 22 de setembro de 1959.  Na matéria "Cruzeiro manteve-se invicto", na última linha do texto o jornal destacou: "Na foto, o quadro do Cruzeiro, com seu novo e vistoso uniforme". 

FICHA TÉCNICA

RENASCENÇA 1 X 1 CRUZEIRO

Data: 19/09/1959
Motivo: Torneio Eliminatório
Local: Estádio do Renascença (Eucaliptos)
Renda: Cr$ 85.160
Árbitro: Luiz Guarda
Gols: Fernando, aos 35 minutos, e Abelardo, aos 46 minutos do primeiro tempo

CRUZEIRO - Rossi; Pireco, Cléver, Nilsinho e Amauri; Bibi e Raimundinho; Abelardo, Nelsinho e Mirim; Hilton Oliveira. Técnico: Ninão.

RENASCENÇA - Dilá; Dalmo, Gaia, Didi e Paulinho; Tão e Coelho; Grilo, Fernando e Rafael. Noêmio. Técnico: Lucas Miranda.