A Copa do Mundo de 2014 já acabou há mais de quatro meses, mas as memórias da final entre Argentina e Alemanha, realizada no dia 13 de julho, no Maracanã, ainda seguem frescas na cabeça de Lionel Messi, que teve pelo menos uma ótima chance de matar o jogo que terminou com vitória por 1 a 0 da equipe alemã, graças a um gol marcado por Götze no segundo tempo da prorrogação.

Em entrevista concedida ao jornal Olé, principal diário esportivo argentino, publicada nesta terça-feira (18), o astro do Barcelona admitiu que "gostaria de ter jogado melhor na semifinal e na final do Mundial". No primeiro destes confrontos, só conseguiu ser decisivo de alguma forma nas cobranças por pênaltis diante da Holanda, após empates por 0 a 0 no tempo normal e na prorrogação, no Itaquerão, em São Paulo. Depois, na final contra os alemães, chegou a ficar cara a cara com Manuel Neuer no segundo tempo, mas errou o chute cruzado que poderia ter dado o tricampeonato mundial aos argentinos.

"Se tivesse marcado gol na final eu teria dito que meu Mundial foi espetacular. Que brilhei em todas as partidas. Não fiz (o gol) e foi criticado por essas duas partidas. Não foram minhas duas melhores partidas (na Copa), mas acho que tampouco foram tão ruins", afirmou o craque, que ainda foi eleito pela Fifa o melhor jogador da Copa de 2014, em decisão polêmica, questionada pelo próprio presidente da entidade, Joseph Blatter.

Messi também destacou que, se por um lado a Argentina não conseguiu cumprir o seu objetivo, que era a conquista do título, por outro "desempenhou um bom papel" no Brasil. A entrevista com o ídolo foi publicada pelo Olé no mesmo dia em que os argentinos enfrentarão Portugal, a partir das 17h45 (de Brasília), no Old Trafford, na Inglaterra, onde Cristiano Ronaldo duelará com o ídolo do Barcelona e reencontrará o palco onde foi ídolo com a camisa do Manchester United.