A viagem do Atlético rumo a Londrina (PR) para a final da Primeira Liga, no dia 8 de outubro, será especial para Rogério Micale.

Em busca do primeiro título comandando um time principal, o técnico do Galo terá a oportunidade de levantar o troféu justamente na cidade onde iniciou a curta carreira de jogador e conquistou as primeiras taças como treinador nas categorias de base.

Micale nasceu em Salvador (BA), mas fincou raízes no norte paranaense ainda aos 17 anos, em busca de uma oportunidade como goleiro profissional. Após três temporadas na equipe júnior, foi revelado pelo próprio Tubarão, em 1990.

Ele não era tão ruim assim como fala. Seria um bom reserva ou terceiro goleiro em um time grande. Mas ele entendeu que, como jogador, iria ficar rodando pelos clubes. A decisão mais importante que ele tomou foi ir estudar. Dava aula na escolinha de manhã, treino na Portuguesa à tarde, e
ainda estudava à noite"

Amarildo Vieira Martins,
ex-presidente da Portuguesa

Apesar do apelido de “Aranha”, Micale teve raras oportunidades no time principal do Londrina, pois, segundo ele mesmo, era um atleta “meia-boca”. A autocrítica o levou a pendurar as luvas de forma precoce, aos 23 anos, após o casamento com a esposa, Silvana, e o nascimento da filha Caroline.

“Ele não era tão ruim assim como fala. Seria um bom reserva ou terceiro goleiro em um time grande. Mas casou e entendeu que, como jogador, iria ficar rodando pelos clubes. Ele chegou a ir para dois times (Apucarana e Operário), mas não deu certo”, conta Amarildo Vieira Martins, responsável direito pela guinada na vida do amigo.

Ex-presidente da Portuguesa Londrinense (clube da Segunda Divisão Estadual), Amarildo foi o primeiro dirigente a contratar Rogério Micale como treinador, para comandar a categoria juvenil do clube, em 1999, seis anos após a aposentadoria.

Nesse intervalo, Micale havia investido na construção da já extinta Spider Ball, primeira quadra de grama sintética da região. No local, criou ainda uma escolinha de futebol para crianças, na qual ensaiava as primeiras preleções.

“A decisão mais importante que o Aranha tomou foi ir estudar. Ele dava aula na escolinha pela manhã e treino na Portuguesa à tarde, e ainda estudava à noite (graduação em Educação Física)”, relembra Amarildo.

Rogério Micale

Micale foi revelado pelo Tubarão em 1990

Títulos e revelação

No comando da equipe juvenil da Portuguesa Londrinense, Micale não demorou a conquistar o primeiro título, na Copa Paulista de Futebol da categoria, no ano 2000.

Logo depois, foi promovido ao time júnior, com o qual faturou também a Copa Jacy Scaff, tradicional torneio da região.

Naquele elenco, inclusive, ajudou a formar o zagueiro Miranda, posteriormente revelado pelo Coritiba e, hoje, jogador da Internazionale de Milão e da Seleção Brasileira.

Os bons resultados levaram Micale à equipe principal da Portuguesa. “Ele fez um trabalho muito bom. Nos conduziu ao quadrangular final e, por muito pouco, não subimos. Foi uma boa surpresa, porque ele tinha só uns 30, ou 30 e poucos anos (32)”, conta o ex-dirigente.

Já no ano seguinte, o “Aranha” voltava ao Londrina para conquistar mais quatro taças pelo time Sub-20 do Tubarão, antes de seguir para Figueirense e Atlético, clubes nos quais se consolidaria como um dos principais técnicos de base do Brasil.

Leia mais:
Duelo entre Atlético e Londrina marcou recorde de Reinaldo e precedeu tragédia no Brasileiro de 1977