Tirar o atraso. Essa é a ordem para as duas equipes mineiras na Superliga Nacional Feminina de Vôlei. Não na pontuação, já que Praia Clube e Minas Tênis são, respectivamente, líder e vice, mas na tabela, pois devem rodadas do turno por causa da participação no Mundial Interclubes da China, em dezembro. Nesta terça-feira (8) as rivais, que se enfrentaram sexta-feira em Uberlândia, voltam à quadra longe de casa, ambas às 19h30. As atuais campeãs encaram o Sesi Bauru, terceiro colocado, no interior paulista. Já a equipe de BH, agora a única invicta na competição, encara o Fluminense, no Rio de Janeiro.

E as meninas comandadas pelo técnico italiano Stefano Lavarini jogam com motivação redobrada depois de levar a melhor no clássico, repetindo o que havia acontecido na final do Mineiro de 2018. Desta vez, no entanto, por um placar mais apertado: 3 a 2 (26/24, 17/25, 25/22, 23/25 e 15/13). Sem contar com a central Fabiana, em fase final de recuperação de um desgaste no joelho – deve atuar normalmente diante do Bauru, Paulo Coco ainda perdeu outra jogadora da posição, Fran, que sofreu o rompimento do ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo, ainda no primeiro set, e terá de se submeter a cirurgia.

A também central Carol chama a atenção para a força das paulistas, que contam com a italiana Diouf e a levantadora Fabíola, entre outras. "Hoje em dia, a Supeliga está muito forte e equilibrada. O Bauru vem de uma forte crescente, está em terceiro lugar, e precisamos ficar muito espertas. Seguimos com o objetivo de sacar bem, jogar bem taticamente para conseguir uma vitória", comentou.

DUELO

O Minas também espera um duelo complicado, com direito ao confronto entre a melhor atacante (a capitã Carol Gattaz) e a melhor bloquadora da competição, a central Lara, do tricolor carioca.  “Esperamos um jogo difícil. O Fluminense é uma grande equipe com jogadoras experientes e esse ano está brigando pelas primeiras colocações da tabela. Será uma partida dura e queremos fazer o nosso melhor jogo. Foi bom termos jogado contra o Dentil/Praia Clube na sexta-feira porque pegamos ritmo depois da parada para as festas de fim de ano. Enfrentar o bloqueio tanto da Lara como o da Letícia Hage, que também é uma ótima bloqueadora, é uma dificuldade a mais para todas as nossas atacantes. Sabemos das qualidades delas e vamos tentar sempre nos superar. Espero que consiga ter sucesso nos meus ataques e que a Lara também tenha sucesso, mas não nesse jogo", brincou Gattaz.