Depois de Arthur Zanetti ameaçar até passar a competir por outro país e seu técnico Marcos Goto fazer diversas críticas à falta de infraestrutura no País, o ministério do Esporte resolveu chamar o ginasta campeão mundial das argolas para uma conversa. Nesta quinta, Zanetti se reuniu com o secretário de alto rendimento da pasta, Ricardo Leyser, para discutir o tema.

"Percebemos que existe um hiato entre o grau de desenvolvimento dos ginastas brasileiros, que estão alcançando patamares muito elevados, e a dificuldade da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG) de prover os serviços e o atendimento adequado aos atletas no padrão de qualidade requerido", analisou Leyser.

O braço direito de Aldo Rebelo, responsável direto pela formação da equipe que vai representar o Brasil nos Jogos do Rio, cobrou ações mais efetivas para a ginástica, segundo divulgou a assessoria de imprensa do ministério.

"Vamos conversar com a CBG para avaliar a situação e verificar medidas corretivas, mas entendo ser necessária uma ação conjunta e mais incisiva do ministério, do Comitê Olímpico Brasileiro e da Caixa (patrocinadora da modalidade) para melhorar a gestão da confederação, sobretudo nas ações de preparação da seleção para os Jogos Olímpicos de 2016", argumenta Leyser.

O ministério promete construir um novo ginásio em São Caetano do Sul (SP), onde fica o Serc, clube de Zanetti. Em parceria com a prefeitura, que cedeu terreno na avenida Presidente Kennedy, o investimento do governo federal nas obras será de cerca de R$ 8 milhões.

Zanetti, ainda segundo a assessoria de imprensa do ministério, comentou que a reunião foi muito importante para iniciar um diálogo em busca de melhores condições aos ginastas. "Era isso que estávamos precisando. Essa foi uma das melhores reuniões que eu já tive, pois deixamos esclarecido o que está acontecendo na ginástica brasileira", disse.