De um lado, excesso de barulho, acúmulo de lixo e insegurança. Do outro, a oportunidade de melhorias viárias, para o comércio e o desenvolvimento local. Opiniões divergiram sobre a construção da Arena MRV, estádio próprio do Atlético, na região Noroeste de BH, em audiência no Ministério Público (MP). O encontro entre torcedores do Galo, moradores do bairro Califórnia, representantes de órgãos do Executivo e Legislativo, e outros, ocorreu na noite dessa terça-feira (18).

Conforme o MP, alguns moradores demonstraram preocupação com problemas que poderão surgir com a construção do estádio. Outros, por sua vez, defenderam que a Arena representa oportunidade de desenvolvimento para a região.

Equilíbrio 

"Vamos atuar no sentido de adequar a situação do meio ambiente com a utilidade pública", declarou o promotor Marco Antônio Borges (Meio Ambiente) que, junto à promotora Luciana Ribeiro da Fonseca (Habitação e Urbanismo), colheu informações técnicas sobre o projeto. 

Borges informou que, neste momento, o órgão recebe opiniões para posteriormente tomar as decisões que serão levadas para o Judiciário. "Queremos somar ao povo de Minas Gerais", garantiu, após a audiência.

Torcida

Já a promotora da Habitação e Urbanismo defendeu o comportamento dos torcedores como um dos pontos centrais da discussão. “O comportamento e educação de vocês (torcedores) é uma das coisas mais intransponíveis, se vocês quiserem”, disse, lembrando que a maioria das reclamações de pessoas que vivem em arredores de estádios de futebol está relacionada à desordem.

Também estiveram presentes na audiência representantes da prefeitura, Secretaria de Meio Ambiente, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, BHTrans e MRV Engenharia. O Atlético foi procurado pela reportagem, mas ainda não se posicionou sobre a audiência.

Leia mais:
Audiência pública discutirá viabilidade ambiental da arena do Galo no Califórnia
Em meio à expectativa do novo estádio, principal casa do Atlético completa 90 anos