Moda que devia virar moda

Eduardo Costa / 10/04/2015 - 08h55

Quando a gente pensa que a vida está cada dia mais chata, difícil e sem perspectivas, eis que a criatividade brasileira nos dá a mão, nos anima e insiste que seguir em frente é o melhor caminho. Luciana Duarte, professora de Engenharia de Produção, teve uma ideia simplesmente sensacional. Neste sábado (10), entre 8 e 18h, vai montar uma loja em plena avenida Afonso Pena, em frente ao Parque Municipal, para que os moradores de rua possam escolher a roupa e o calçado de sua preferência. E levar, claro. E, de graça.

Luciana estudou design, fez pós-graduação em moda e decidiu propor um olhar sustentável para o hábito de vestir e calçar. Ela pretende mudar a lógica de doação de roupas e calçados para a camada mais invisível de uma cidade excludente como Belo Horizonte – exatamente os que moram na rua e, portanto, estão o tempo todo na frente dos nossos olhos.

Aos 28 anos, essa mineira que já rodou o mundo quer experimentar aqui um projeto que viu na África do Sul e resume-se na montagem, na rua, de mostruários, a exemplo dos que existem em estabelecimentos comerciais, para que o interessado possa escolher a peça que deseja.

Luciana sabe – eu sei, tu sabes, ele sabe e nós todos sabemos – que até hoje um morador de rua só tem o direito de usar o que lhe damos, assim mesmo quando resolvemos dar, e, na maioria das vezes, objetos que já não se prestam mais para o uso. Ela quer colocar tudo na prateleira, o usado e o novo, o mais humilde e a etiqueta chique, e convidar o necessitado a escolher, de acordo com o gosto e as medidas.

Para receber doações, foram montados seis postos de recolhimento nos bairros Sion, Savassi, Santo Antônio e Cruzeiro, na região Centro-Sul; Rio Branco, em Venda Nova, e no campus da UFMG. Ela conta com a ajuda de 200 voluntários, entre os quais seus 40 alunos do curso de Engenharia de Produção da Faculdade Kennedy.

As peças são separadas por cor e numeração e colocadas em cabides. Os destinatários foram avisados do evento em dez albergues da capital, por onde passam perto de 1.000 homens e mulheres de idades variadas. Se você quer saber mais acesse modaetica.com.br. Ou, simplesmente passe lá, em frente ao parque, neste sábado (10), para ver de perto que a gente pode até reclamar de governantes, mas, o povo brasileiro é bacana demais.
 

Publicidade
Publicidade
Comentários