Apesar de ser um clássico mineiro, o duelo entre Montes Claros e Sada/Cruzeiro que será disputado, às 19h15, desta quinta-feira (26), no norte do estado, será ainda mais especial para dois jogadores do “Pequi Atômico”. Revelados pela base cruzeirense ontem atuaram por mais de cinco anos, o líbero Guilherme Kachel e o ponteiro Kadu estarão do outro lado da rede, com fome de vitória.

“É sempre bom revermos os companheiros com quem jogamos tanto tempo. Na primeira vez que enfrentei o Cruzeiro, pelo Mineiro, deu até um frio na barriga. Mas depois que o jogo começou ficou mais tranquilo. Agora, já estou acostumado aqui em Montes Claros, e vejo a partida contra eles como um jogo difícil como qualquer outro que tivemos na Superliga”, avalia Kachel.

Já para Kadu essa será a primeira vez que ele vai enfrentar o ex-time, já que durante o estadual ele fazia parte do elenco cruzeirense, e só foi para o Montes Claros após a disputa do Mundial de Clubes. “É normal que um dia isso fosse acontecer. Em um time com o investimento do Cruzeiro é preciso criar oportunidades de jogar, mesmo que tenhamos que sair. E a partir daí enfrentá-los é algo que aconteceria mas cedo ou mais tarde”, avalia Kadu.

Apesar de serem adversários o jovem de 21 anos não economiza nos elogios aos antigos companheiros. “Admiro vários jogadores deles, como o Filipe que e um excelente jogador e fora de quadra uma excelente pessoa, assim como o Leal, que por eu jogar na mesma posição que ele, me espelho nele para um dia quem sabe não chegar onde ele está”, comenta o jogador.

O fato de poder enfrentar os jovens a quem ajudou na formação chega a emocionar o ponteiro Filipe. “É muito legal ver essa geração que está começando a aparecer agora se espelhando em mim. O Kadu é uma pessoa muito bacana com quem tive o prazer de trabalhar. Tem muito vigor físico, um alcance impressionante e um super potencial”, diz Filipe antes de ligar o alerta.

“Além de tudo isso, ter começado a jogar o fez evoluir ainda mais, o que nos faz entrar em alerta nessa partida. Vai ser um jogo muito difícil em que temos que nos concentrar desde o primeiro ponto para não sermos surpreendidos”, conclui o ponteiro cruzeirense.

Amizade a parte

Além de tudo isso, os jogadores são muito amigos entre eles. Inclusive no caso de Kachel e Serginho os dois criaram além de uma relação profissional uma amizade. “Fico feliz em vê-lo atuando bem na Superliga com o mesmo sentimento de guerra de quando ele jogava contra mim nos treinos. É assim que tem que ser. Ele além de um grande jogador que foi eleito o melhor do mundo no mundial sub-23, é um grande parceiro que tenho. Viajamos juntos de folga e agora será muito bom poder enfrentá-lo em uma grande competição”, se alegra Serginho.

Já Kachel além de elogiar o líbero do Cruzeiro, mostra que a amizade não vai atrapalhar sua ambição. “Além de um grande jogador ele é um amigo. Aprendi muita coisa com ele que me ajudou a formar o atleta que sou hoje, seja no dia a dia ou nos jogos. Durante a partida até podemos brincar um com o outro para dar uma descontraída, mas nada que atrapalhe, já que agora que estarei do outro lado, vou querer ganhar”, conclui Kachel.