O retorno de Marcelo Moreno ao Cruzeiro reacendeu a discussão sobre amor de jogador de futebol por um clube. Por ter feito a escolha de abrir mão de quantia milionária para retornar ao Brasil, o atacante ganhou ainda mais o respeito da torcida. Algo que alguns atletas que tinham essa consideração perante o torcedor já não tem tanto mais. Caso do zagueiro Dedé.

Licenciado por 30 dias a partir de 10 de fevereiro, Dedé cumpre um protocolo médico de recuperação de um procedimento cirúrgico no joelho - realizado no ano passado - no Rio de Janeiro, onde está com a família.

Antes de a volta de Moreno ser oficializada pela Raposa, um áudio do jogador vazou nas redes sociais. E nessa conversa o atacante comentou sobre o zagueiro, de um suposto pedido para que o defensor pudesse ficar no clube nesse momento de reconstrução. O que contraria a vontade do camisa 26, que, de acordo com dirigentes do Crzueiro, pediu para não ficar na equipe em 2020.

Marcelo Moreno coletiva Cruzeiro

Na coletiva de apresentação o atacante foi perguntado sobre essa possível conversa com Dedé, e disse o que é preciso para que jogadores fiquem no Cruzeiro nesse momento de reformulação do clube.

"Eu não gostei muito (vazamento do áudio). É uma coisa particular. São coisas que acontecem nesse momento, nessa mídia que a gente tem. Essas coisas de contratações, jogador sempre fica de um lado, o que for dentro de campo a gente pode falar. Dedé é um craque. Todo mundo sabe disso. Gosto muito dele como jogador, como pessoa, mas quem decide aqui é a diretoria. É o momento de eles definirem quem quer ficar e quem quer ir embora. Aqui no Cruzeiro, tem que ficar quem quer vestir a camiseta, com amor. A diretoria sabe disso. Tem que correr atrás de jogadores que querem jogar no clube. Assim que vamos reconstruir. Espero que as decisões possam ser as melhores", disse.

O combinado entre o Cruzeiro e Dedé é que o jogador, após os 30 dias, retorne à Toca II caso não apareça nenhuma proposta oficial de outras equipes. O zagueiro recebeu duas propostas da China, uma do Wuhan Zall, equipe que, inclusive, Marcelo Moreno jogou.

A epidemia do coronavírus foi um dos impeditivos para que Dedé aceitasse a oferta para atuar no país asiático.