A vitória não veio, mas o empate em 1 a 1 com o Goiás não foi considerado um resultado ruim para o estreante técnico do Cruzeiro, Mozart. Ao fim do duelo no Mineirão, ele preferiu ressaltar o empenho de todo o time, em vez de apontar erros que a equipe cometeu diante dos goianos.

“Gostei de nossa ideia de jogo e do nosso espírito. Tivemos mais volume no segundo tempo do que no primeiro. Só os resultados vão trazer a confiança novamente. Mas tenho que enaltecer o que os jogadores fizeram hoje (sábado). Não era uma partida simples. Lutaram até o final. Quase conseguimos a virada. Agora é descansar e pensar na Ponte Preta”, disse.

O resultado pode ser analisado, no mínimo, de duas formas. Ao mesmo tempo que mantém a Raposa na lanterna, o empate significa o primeiro ponto do time na Série B, após estar atrás do placar até os 42 minutos do segundo tempo.

“Eu vejo o copo meio cheio. Não é difícil jogar contra uma equipe que marca bem. O gol (do Goiás) tornou o jogo mais favorável a eles. Conseguimos buscar o empate, construir outras chances de gol, e o Tadeu fez duas boas defesas. Eu, mais do que ninguém, queria vencer. Pelo espírito da minha equipe venho enaltecer. Esse ponto será importante lá na frente”, comentou.

E destacou que os times considerados menores sempre terão um comportamento diferente diante do Cruzeiro, o que forçará sua equipe a se desdobrar em campo.

“Somos um dos grandes ou talvez o maior da Série B. E quem nos enfrentar vai fazer o jogo da vida. Temos que igualar no espírito. É enaltecer o que os jogadores fizeram hoje (sábado). Temos coisas a ajustar e corrigir. Mesmo se tivéssemos ganhado, teria coisas a corrigir”, destacou.

Cruzeiro