Ao vencer David Goffin por 3 sets a 0, com parciais de 6/3, 7/5 e 6/3, neste domingo, em Ghent (BEL), Andy Murray liquidou em 3 a 1 a série melhor de cinco jogos da final da Copa Davis e deu o histórico título para a Grã-Bretanha, que levou a melhor sobre a Bélgica e encerrou um jejum de 79 sem conquistas da tradicional competição por países do tênis masculino mundial.

Após o seu triunfo, o atual vice-líder do ranking mundial se mostrou incrédulo com p próprio feito. "Não acredito que conseguimos conquistar o título. Sinceramente eu joguei o meu melhor tênis. Eu queria fazer isso para o meu país. Talvez nunca teremos outra oportunidade de fazer isso", afirmou Murray, que é escocês e representou a bandeira britânica.

O capitão belga Johan Van Herck, por sua vez, reconheceu que foi impossível parar o número 2 do mundo. "Este final de semana perdemos para Murray. Ele ganhou o troféu sozinho. Ele é um verdadeiro campeão", elogiou. Derrotado na última partida e responsável pelo único ponto da Bélgica no confronto, Goffin endossou o discurso. "É um grande campeão. Tentei, lutei, mas Murray foi monstruoso."

Murray também aproveitou para lembrar os atentados terroristas em Paris, que deixaram 130 mortos no último dia 13 e que tiveram desdobramentos na Bélgica. "Vou lembrar disso o resto da minha vida. A atmosfera foi incrível. Os torcedores britânicos e belgas demonstraram que o esporte pode superar todos os medos", enfatizou o britânico, que no sábado venceu também no confronto de duplas diante dos belgas, depois de na sexta-feira passar por Ruben Bemelmans por 3 sets a 0.