A timidez na entrevista na Toca II, na manhã desta sexta-feira (24), era diretamente proporcional à alegria de vestir a camisa do Cruzeiro – e também à sua fé, como ficou claro durante o papo com os jornalistas no centro de treinamentos da Raposa. Em sua primeira coletiva na equipe de cima, o jovem Alexandre Jesus, cria da base estrelada, agradeceu várias vezes a Deus pela estreia no elenco profissional, a vitória por 2 a 0 sobre o Boa, na última quarta-feira, já projetando sucesso para os próximos duelos do time.

“Foi uma experiência única (ter jogado na estreia do Mineiro). Agradeço a Deus por essa oportunidade. O Adilson (Batista) nos passou muita confiança, entramos em campo para fazer o que precisava ser feito, e deu tudo certo”, comentou Jesus.

O dono da camisa 33 não soube explicar a escolha deste número da camisa, mas acredita que tenha a ver com religiosidade: 33 era a idade de Cristo.

“Não sei, pode ser (usar a 33 por ser a idade de Cristo). E agradeço a Deus pela oportunidade”, sintetizou o atleta, que espera manter a “tradição” do nome Jesus no futebol, casos de Gabriel Jesus e Jorge Jesus, como o próprio garoto salientou. “Se Deus quiser. Espero jogar bem”, limitou-se a dizer.

Cruzeiro

Neste sábado (25), às 19h30, ele e o Cruzeiro voltam a campo, contra o Tombense, em Tombos, pela segunda rodada do Mineiro. Neste embate, o atacante terá um novo companheiro na linha de frente, já que Thiago, autor de um dos gols sobre Boa, se machucou. “(O Welinton e o Judivan) são dois que podem aparecer. O Welinton tem a característica rápida. Se Deus quiser, vamos sair com a vitória”, afirmou o ‘Canela’, apelido que ganhou na base celeste.

"Me chamam de ‘Canela’ porque a canela é grande", contou, em meio a risos.